segunda-feira, 28 novembro 2022

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:287 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:261 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:139 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:513 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:206 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:251 Opinião

CRIANÇA PRESA NO PENICO

Nov. 13, 2022 Hits:462 Crónicas

Duas tardes em Coja

Nov. 13, 2022 Hits:796 Apontamentos

Esta vida de hipster

Nov. 08, 2022 Hits:127 Crónicas

Ladroagem Eleitoral

Nov. 06, 2022 Hits:337 Opinião

O “Auto Suicídio” de…

Nov. 04, 2022 Hits:342 Opinião

2022 chegou e Caminha é uma das 9 câmaras nacionais a aumentar impostos





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


3 anos atípicos para os portugueses derivado da pandemia que se vive e a maioria das câmaras municipais em Portugal optou por não mexer na taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) a cobrar aos munícipes e muitas decidiram mesmo reduzir este imposto. Caminha juntamente com outras 8 câmaras decidiu aplicar a taxa máxima.

Recordar que o IMI é calculado pelo valor patrimonial do imóvel multiplicado pelo imposto aplicado em cada município.

No ano passado 94 dos 308 municípios aplicaram a taxa mínima, enquanto apenas nove aplicaram a taxa máxima. E, este ano das 308 câmaras municipais do país, 180 decidiram aplicar este ano o imposto municipal sobre imóveis (IMI) pela taxa mínima de 0,3%. Apenas 20 praticam taxas acima dos 0,4% e destas nove têm a taxa máxima, dos 0,45%.

Caminha está entre as 9 autarquias a optar pela taxa máxima e tal decisão foi aprovada na última assembleia municipal.

Luso.eu interpelou Miguel Alves, presidente da câmara municipal de Caminha, sobre o tema mas o autarca não acedeu a responder às nossas questões.

A oposição do concelho faz-se ouvir contra esta decisão tendo o Bloco de Esquerda referido que “por causa da perda de rendimentos generalizada durante  estes dois anos de pandemia, essa contribuição deveria ser atenuada”.

Por sua vez, Liliana Silva, vereadora do PSD e presidente da concelhia social democrata de Caminha, sublinhou que “as prioridades no concelho de Caminha estão subvertidas e isso é um facto. Uma autarquia deve estar aqui para apoiar as famílias e as empresas quando elas mais precisam. Nesta altura, com as famílias em dificuldades por via desta pandemia , assim como as empresas era importante haver um sinal claro de apoio às mesmas. Mas não. O que fizeram foi manter no máximo os impostos quer IMI, quer na fixação da taxa máxima do IRS. E quando vamos ver onde se gasta o dinheiro ficamos incrédulos. A Câmara recebe de impostos diretos dos munícipes mais de 6 milhões de euros e depois destina para as famílias somente 131 mil, mas para publicidades vão mais de 200 mil euros, para a cultura supera largamente o milhão de euros. Recebe 6 milhões e só tem 15 mil euros para apoiar os nossos jovens no ensino superior, mas depois gasta, como aconteceu em Dezembro, mais de 28 mil euros só em produções audiovisuais. Paga por mês mais de 1800 euros a uma assessora de imprensa, e tem na câmara jornalistas no quadro para fazerem esse trabalho?! E poderia continuar com outros exemplos que escandalizam qualquer munícipe. Isto é uma governação de despesismo puro! E depois vêm dizer às pessoas que não têm dinheiro e que têm de lhes cobrar os impostos no máximo. Das 308 câmaras do País, só 9 têm o IMI no máximo, e lamentavelmente Caminha é uma delas.

Ainda destacar que este ano o actual executivo socialista liderado por Miguel Alves decidiu aplicar o IMI familiar em 2022 numa medida que pretende apoiar famílias com filhos num valor máximo de 70 €. Na altura, Miguel Alves, presidente do município, sublinhou que que esta medida surgia pela “necessidade de encontrar novas fórmulas de apoio financeiro às famílias” e, ainda, referiu que “gostava de poder ir mais longe no apoio ainda mais as famílias do concelho de Caminha mas a situação financeira do município é ainda muito difícil e não nos permite dispor de mais receita que é necessária para sustentar a actividade municipal”.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Author: Isabel VarelaEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 829  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

News Fotografia