Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - 'Rei' Eusébio partiu há uma década, mas há muito ganhara a 'eternidade'
sexta-feira, 01 março 2024

CANDIDATOS DO PS NA FEIRA…

Fev. 29, 2024 Hits:171 Opinião

Não cedamos à facilidad…

Fev. 29, 2024 Hits:309 Opinião

Quero ser uma árvore

Fev. 24, 2024 Hits:658 Crónicas

Morre Navalny mas não a …

Fev. 24, 2024 Hits:201 Opinião

COMPETÊNCIA CÍVICA

Fev. 15, 2024 Hits:376 Crónicas

UNIVERSITAS

Fev. 14, 2024 Hits:290 Crónicas

CIDADÃO DECISOR

Fev. 10, 2024 Hits:254 Crónicas

Desconsideração políti…

Fev. 09, 2024 Hits:637 Opinião

Haja diferenças!

Fev. 07, 2024 Hits:319 Opinião

O Homem: um ser limitado

Fev. 06, 2024 Hits:298 Crónicas

O BANCO NOVO

Fev. 06, 2024 Hits:431 Crónicas

Entre a Esperança e a In…

Fev. 04, 2024 Hits:246 Opinião

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Fev. 04, 2024 Hits:365 Crónicas

'Rei' Eusébio partiu há uma década, mas há muito ganhara a 'eternidade'





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


Eusébio da Silva Ferreira, aquele que ganhou o direito de ser apelidado como o ‘rei’ do futebol português, morreu faz sexta-feira uma década, deixando de luto Portugal e, em particular, a ‘nação’ benfiquista.

Vítima de uma paragem cardiorrespiratória, pelas 04:30 do dia 05 de janeiro de 2014, o ‘pantera negra’ morreu aos 71 anos como uma ‘lenda’, numa notícia que correu os ‘quatro cantos’ do mundo e foi comentada por todos, nomeadamente os ‘gigantes’, o “irmão” Pelé e Maradona, que, entretanto, já se ‘juntaram’ ao português.

Pelo que fez ao serviço do Benfica, entre 1960/61 e 1974/75, e da seleção de Portugal, de 1961 a 1973, numa década e meia prodigiosa, apesar de muito prejudicada pelas lesões, invariavelmente mal curadas, Eusébio é considerado um dos melhores futebolistas da história.

Numa lista recentemente publicada pela revista inglesa de futebol FourFourTwo, e liderada pelo argentino Lionel Messi, o ‘pantera negra’ surge em 16.º, sendo que nesta publicação, ou em qualquer outra, o seu nome é invariavelmente referido como um dos ‘maiores’, alguém incontornável e consensual.

Com o aparecimento de Cristiano Ronaldo, perdeu, para quase todos, o estatuto de melhor português de sempre, mas está por cima em muitos ‘capítulos’, como na grande montra, os Mundiais, em que, em apenas uma edição, fez mais do que CR7 em cinco, ao conduzir Portugal a inédito bronze e somar nove golos, em seis jogos, face aos oito do ainda ‘capitão’ da seleção lusa, em 22 encontros.

O terceiro lugar do ‘magriços’ em Inglaterra é a ‘cara’ de Eusébio, que, desde aí, passou a ser um ‘mito’ em terras de ‘sua majestade’, onde, aliás, Portugal só chegou pelos seus sete golos na qualificação, dos nove apontados pelo conjunto das ‘quinas’.

O ‘rei’, que acabou a sua carreira na seleção lusa com 41 golos em 64 internacionalizações ‘AA’, só pôde brilhar nesse Mundial, já que não esteve em mais nenhuma fase final, quando lá chegar não era, para Portugal, o ‘passeio’ de hoje em dia.

Eusébio não teve mais esse palco, mas, internacionalmente, também brilhou intensamente com a camisola do Benfica, num trajeto que teve como ponto alto o ‘bis’ no 5-3 ao Real Madrid, do seu ídolo Di Stéfano, na final da Taça dos Campeões de 1962.

Na prova ‘rainha’ da UEFA, o ‘pantera negra’ ajudou os ‘encarnados’ a atingir mais três finais – todas perdidas -, totalizando 46 golos, registo que ainda o colocam no 12.º lugar da tabela dos melhores marcadores da competição.

A prova do que fez nos anos 60 do século passado também pode ser ‘medida’ por sete aparições no ‘top 8’ da Bola de Ouro do France Football – então só para europeus -, com destaque para a vitória de 1965 e os segundos lugares de 1962 e 1966.

Para a sua ‘vitrina’ também entraram duas edições da ‘Bota de Ouro’, prémio para o melhor marcador dos diversos campeonatos europeus, nas épocas de 1967/68 (42 golos) e 1972/73 (40).

Se foi um fenómeno no meio internacional, rivalizando – em momentos distintos - com Di Stéfano, Pelé, Bobby Charlton, Beckanbauer, Puskás ou Cruyff, Eusébio nunca teve rival interno, já que, por ‘cá’, foi, incomparavelmente, o melhor do seu tempo.

Assim, não é de estranhar que seja, ainda hoje, o recordista de títulos na I Liga portuguesa de futebol, com um total de 11, para os quais contribuiu com 317 golos, em 301 jogos, à ‘bonita’ média de mais de um tento por encontro.

Melhor marcador do clássico com o FC Porto, com 25 golos, e segundo melhor, atrás de Peyroteo, do dérbi com o Sporting, ao totalizar 27, é também o recordista no que respeita a troféus de melhor marcador do campeonato português, com sete.

Nascido em 25 de janeiro de 1942, em Lourenço Marques, agora Maputo, Eusébio da Silva Ferreira morreu há uma década, com 71 anos, mas a história não se apaga e o seu legado será eterno, mesmo que sejam cada vez menos os que possam dizer que, um dia, viram jogar Eusébio, que, um dia, viram jogar o ‘rei’.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 423  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

 
 
0
Partilhas
0
Partilhas