quinta-feira, 06 outubro 2022

O AMOR DE MÃE É ETERNO

Out. 04, 2022 Hits:77 Crónicas

INSULTUOSO – CORROMPIDO…

Out. 01, 2022 Hits:248 Opinião

Então Paris como é?

Set. 28, 2022 Hits:49 Crónicas

Desliguei a internet

Set. 26, 2022 Hits:73 Crónicas

OS TEMPOS DAS CIDADES

Set. 19, 2022 Hits:118 Crónicas

Quem vai pagar impostos?

Set. 19, 2022 Hits:112 Opinião

Os robots não devem paga…

Set. 18, 2022 Hits:246 Opinião

Paternalismo

Set. 14, 2022 Hits:98 Crónicas

Mundial clubes: Abel e Jardim buscam título mundial inédito para técnicos lusos





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Abel Ferreira, pelo segundo ano consecutivo ao comando dos brasileiros do Palmeiras, e Leonardo Jardim, em estreia pelos sauditas do Al Hilal, podem tornar-se o primeiro treinador português a vencer o Mundial de clubes de futebol.

Nos Emirados Árabes Unidos, de quinta-feira a 12 de fevereiro, duas equipas comandadas por técnicos lusos estão na corrida à 18.ª edição da prova, juntamente com mais cinco clubes, entre os quais o favorito Chelsea, em representação da Europa.

Os ingleses e os ‘canarinhos’ só entram em ação nas meias-finais, sendo que não sabem ainda que clubes defrontam, tal com o Al Hilal, que tem como possíveis adversários o anfitrião Al Jazira ou o AS Piare, de Taiti, da Polinésia Francesa.

O vencedor do jogo inaugural, na quinta-feira, ou os sauditas jogam, depois, o acesso à final com o Chelsea, enquanto o Palmeiras defronta os egípcios do Al-Ahly, no que seria uma reedição do jogo do bronze de 2021, ou os mexicanos do Monterrey.

O ‘verdão’ está no Mundial de clubes na qualidade de detentor da Taça Libertadores, que venceu por duas vezes em 2021, primeiro em janeiro, na final da edição de 2020 (1-0 ao Santos), e, depois, em dezembro (2-0 ao Flamengo, após prolongamento).

Por seu lado, o Al Hilal venceu em novembro do ano passado a final da Liga dos Campeões asiática, numa final com os sul-coreanos do Pohang Steelers (2-0).

Desta forma, os dois treinadores portugueses estão na corrida a um feito inédito, já que nunca um técnico luso se sagrou campeão mundial, nem através do Mundial de clubes (2000 e desde 2005), nem pelo triunfo na Taça Intercontinental (1960 a 2004), disputada entre os campeões europeu e sul-americano.

Entre todos os técnicos lusos, o que esteve mais próximo de vencer foi Jorge Jesus, que chegou à final da edição 2019, ao comando dos brasileiros do Flamengo, que perderam com os ingleses do Liverpool por 1-0, após prolongamento.

Um golo de Roberto Firmino, aos 99 minutos, derrotou Jesus, que, pelo ‘Fla’, venceu Taça Libertadores, campeonato brasileiro, as supertaças sul-americana e brasileira, o campeonato Carioca e a Taça Guanabara.

Jesus começou nas meias-finais, fase que Manuel José atingiu em 2006, ao comando dos egípcios do Al-Ahly, que perderam por 2-1 com os brasileiros do Internacional, para, depois, acabarem no terceiro lugar, com um 2-1 aos mexicanos do América.

Além de Manuel José, só mais um treinador luso tem historial na prova, o agora repetente Abel Ferreira, que desiludiu na estreia, o ano passado, ao perder os dois jogos disputados e acabar no quarto lugar, a pior classificação de sempre de um conjunto da América do Sul.

O Palmeiras perdeu nas meias-finais por 1-0 com os mexicanos do Tigres, vencedores com um tento do francês André-Pierre Gignac, aos 54 minutos, de penálti, e, no jogo do ‘bronze’, caiu nos penáltis face aos egípcios do Al-Ahly (2-3), depois de 0-0.

De resto, mais nenhum treinador luso esteve presente, nem José Mourinho, atual técnico da Roma, apesar de ter conquistado por duas vezes a Liga dos Campeões, em 2003/04, ao serviço do FC Porto, e em 2009/10, ao comando do Inter de Milão.

Mourinho conquistou o ‘direito’ de disputar o título mundial em 2004 e 2010, mas, após os cetros europeus, mudou sempre de clube, primeiro do FC Porto para o Chelsea e depois do Inter de Milão para o Real Madrid, pelo que nunca pôde sequer tentar.

Em 2004, os portistas venceram a prova sob o comando do espanhol Victor Fernández, e, em 2010, o Inter de Milão ganhou liderado pelo também espanhol Rafa Benítez.

O FC Porto também venceu a prova em 1987, mas igualmente com um treinador estrangeiro: depois de vencer a Taça dos Campeões de 1986/87, Artur Jorge rumo ao Racing Paris, sendo substituído pelo então jugoslavo Tomislav Ivic.

Num embate inesquecível, devido à neve que cobriu o relvado do Estádio Nacional de Tóquio, o ‘onze’ de Ivic ganhou por 2-1, após prolongamento, graças a um golo do argelino Rabah Madjer, que já tinha sido um dos ‘heróis’ do 2-1 ao Bayern, em Viena.

Quanto ao Benfica, perdeu as edições da Taça Intercontinental de 1961 e 1962, face aos uruguaios do Peñarol e aos brasileiros do Santos, mas em ambas liderado por treinadores estrangeiros.

O húngaro Béla Guttmann, que conduziu os ‘encarnados’ aos triunfos na Taça dos Campeões em 1960/61 e 1961/62, esteve na final de 1961 e o chileno Fernando Riera na de 1962, edição em que o Santos ganhou por 3-2 em casa, com um ‘bis’ de Pelé, e por 5-2 na Luz, com mais três do ‘rei’.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1703 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia