sexta-feira, 27 janeiro 2023

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:264 Opinião

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:988 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:400 Apontamentos

Távora- Varosa

Jan. 13, 2023 Hits:142 Crónicas

MAESTRO

Jan. 13, 2023 Hits:177 Crónicas

Braga de traço recente

Jan. 11, 2023 Hits:905 Apontamentos

Reforma Lei Eleitoral - M…

Jan. 11, 2023 Hits:165 Opinião

Racionalidade Politicamen…

Jan. 09, 2023 Hits:194 Opinião

A caminho de Salir

Jan. 08, 2023 Hits:1009 Crónicas

NO DEALBAR DE UM NOVO ANO

Jan. 08, 2023 Hits:385 Crónicas

MP acusa dois homens de se fazerem passar por dirigentes para burlarem empresas





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O Ministério Público de Coimbra deduziu acusação contra dois homens que terão feito passar-se por dirigentes de empresas através de mensagens de correio eletrónico para burlarem essas entidades.

Os dois indivíduos, de nacionalidade estrangeira, são acusados da prática de crimes de acesso ilegítimo, falsidade informática, burla qualificada, falsificação de documentos e branqueamento de capitais, refere o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) Regional de Coimbra, numa nota publicada na sua página de internet.

Segundo o Ministério Público (MP), os factos terão sido praticados "num modo de atuação internacionalmente conhecido por 'CEO Fraud' [um tipo de phishing, fraude que acontece no meio digital, em que se tenta ludibriar as pessoas a partilhar informações confidenciais, como números de cartões de crédito]".

No caso do 'CEO Fraud', trata-se "de um esquema que se inicia com um acesso indevido à conta de correio eletrónico de um dirigente ou colaborador de uma empresa, falseando mensagens de correio eletrónico para terceiros com quem os ofendidos mantinham relações comerciais, ou por vezes para os gestores das contas bancárias destes", explica o MP.

Segundo a nota, os destinatários das mensagens acabam por ser induzidos a realizarem "transferências de montantes avultados para contas bancárias diferentes das devidas".

"Na prossecução desse plano, os arguidos criaram, em território nacional, empresas sem qualquer real atividade, após o que abriram contas bancárias em seu nome", realçou.

Essas contas serviam de destino de transferências realizadas pelas vítimas, na sequência dos e-mails enviados pelos arguidos.

As quantias recebidas nas contas dos arguidos eram depois "disseminadas através de novas transferências bancárias internacionais", explicou o MP, que refere que a investigação esteve a cargo da PJ de Coimbra.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 495  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

Foto: Paulo Pego