domingo, 25 setembro 2022

OS TEMPOS DAS CIDADES

Set. 19, 2022 Hits:96 Crónicas

Quem vai pagar impostos?

Set. 19, 2022 Hits:83 Opinião

Os robots não devem paga…

Set. 18, 2022 Hits:103 Opinião

Paternalismo

Set. 14, 2022 Hits:80 Crónicas

A BICICLETA DOS ANJOS

Set. 12, 2022 Hits:61 Crónicas

UM CIMBALINO SE FAZ FAVOR

Set. 10, 2022 Hits:333 Crónicas

O aroma do café no ar

Set. 05, 2022 Hits:76 Crónicas

Rota dos Registos Civis

Set. 04, 2022 Hits:218 Opinião

Espanto e Vergonha

Ago. 28, 2022 Hits:126 Opinião

Ciberataques: Vodafone inicia restabelecimento dos serviços móveis 4G





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


A Vodafone iniciou o restabelecimento dos serviços base de dados móveis sobre a sua rede 4G, "na sequência de uma intensa e exigente operação de reposição", de acordo com a última atualização da operadora de telecomunicações.

A Vodafone Portugal assumiu hoje que foi alvo de um ciberataque na segunda-feira, afirmando que não tem indícios de que os dados de clientes tenham sido acedidos e/ou comprometidos, e estando a reunir todos os esforços para repor a normalidade dos serviços.

A operadora de telecomunicações refere, em comunicado, que "este arranque está de momento condicionado a zonas restritas do país, estando gradualmente a ser expandido para o maior número possível de clientes".

A Vodafone adianta ainda que "o serviço está igualmente sujeito a algumas limitações, nomeadamente no que respeita à velocidade máxima permitida de forma a garantir uma melhor monitorização da utilização da rede, bem como uma distribuição mais equitativa e sustentável da capacidade disponibilizada" aos seus clientes.

Esta é "mais uma etapa que faz parte do complexo percurso que temos vindo a percorrer e cujo esforço tem sido atenuado pelas muitas manifestações de solidariedade e compreensão que nos têm feito chegar", acrescenta a operadora liderada por Mário Vaz.

"Continuaremos a atualizar os nossos clientes sobre a evolução da reposição dos serviços sempre que justificável", assevera a empresa.

A Polícia Judiciária (PJ) está a investigar o ataque informático de que foi alvo a operadora de telecomunicações Vodafone, designadamente a avaliar os vários componentes e o que está subsequente a esse ataque, disse à Lusa fonte policial.

O ataque informático à Vodafone Portugal afetou os ATM da rede Multibanco, que estive indisponível até à meia-noite de segunda-feira, altura em que foi reposto o serviço de dados 3G.

Entretanto, o INEM indicou hoje que "ativou no imediato o seu plano de contingência" para fazer face aos constrangimentos verificados com a rede Vodafone, garantido que esteve sempre a funcionar o sistema de emergência médica.

"Face aos constrangimentos verificados ontem [segunda-feira] e hoje na rede Vodafone no acionamento de meios de emergência, o INEM ativou no imediato o seu plano de contingência, privilegiando o acionamento através da rede SIRESP e recorrendo aos sistemas redundantes de que dispõe em termos de telecomunicações móveis", refere o Instituto Nacional de Emergência Médica, numa resposta enviada à Lusa, ao início da tarde.

Em conferência de imprensa, o presidente executivo da Vodafone Portugal afirmou hoje que a equipa que está a trabalhar ininterruptamente desde 21:00 de segunda-feira, para recuperar os serviços afetados pelo ataque informático, tendo como prioridade máxima o serviço de 4G.

"A prioridade máxima é o 4G", afirmou Mário Vaz, em conferência de imprensa, na sede da empresa, no Parque das Nações, em Lisboa.

O responsável da Vodafone Portugal pediu também desculpa a todos os clientes, pelo impacto que, "de forma totalmente involuntária", a falta de serviços está a ter nas suas vidas e nos negócios dos clientes empresariais.

"Estamos de forma ininterrupta desde as 21:00 de ontem [segunda-feira] a trabalhar sobre este grave incidente”, garantiu Mário Vaz, que não fez comentários sobre a investigação que está em curso.

O presidente executivo da operadora de telecomunicações, uma das principais a operar em Portugal, agradeceu também a colaboração das empresas concorrentes, explicando que, para já, não estão a usar serviços de outras operadoras, nem tal está contemplado no plano de ação que está a ser levado a cabo.

"Se necessário, não teremos qualquer questão em fazê-lo e temos a disponibilidade dos nossos concorrentes para o fazer. A nossa prioridade número um é que os nossos clientes tenham serviço", garantiu.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1276 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30