domingo, 27 novembro 2022

DEPOIS DO EUROMILHÕES

Nov. 27, 2022 Hits:98 Crónicas

PORTUGAL É RONALDO E RON…

Nov. 24, 2022 Hits:259 Opinião

Crónica triste para um d…

Nov. 20, 2022 Hits:137 Opinião

Em Ocasiões Especiais

Nov. 20, 2022 Hits:510 Crónicas

Os sonhos adiados

Nov. 19, 2022 Hits:205 Crónicas

IXELLES – UMA VILA DESO…

Nov. 15, 2022 Hits:220 Opinião

CRIANÇA PRESA NO PENICO

Nov. 13, 2022 Hits:459 Crónicas

Duas tardes em Coja

Nov. 13, 2022 Hits:789 Apontamentos

Esta vida de hipster

Nov. 08, 2022 Hits:126 Crónicas

Ladroagem Eleitoral

Nov. 06, 2022 Hits:334 Opinião

O “Auto Suicídio” de…

Nov. 04, 2022 Hits:337 Opinião

Autismo – Sara Rocha (UK)





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


3 minutos de leitura

Sara Rocha, autista, co-fundadora da Associação Portuguesa do Autista, encontra-se a trabalhar e residir no reino Unido. Estivemos à conversa para perceber um pouco mais sobre autismo na vida adulta.

Quem é a Sara Rocha?

31 anos de idade. A viver em Inglaterra há mais de dois anos. Antes estive a residir e a trabalhar na Áustria, em Salzburgo. Decidimos regressar ao Reino Unido, de onde o meu companheiro é natural.

Sou gestora de dados na Universidade de Cambridge. Responsável por organizar e harmonizar dados de saúde na área cardiovascular.

Licenciatura em Análises Clínicas e Saúde Pública. Mestrado em Gestão e Economia de Serviços de Saúde. Gestora de informação na área da saúde na OMS.

Quais foram as primeiras dificuldades que sentiu ao sair de Portugal?

Vida por conta própria, entregue a mim mesma, na Áustria e a língua, o alemão.

Ponto positivo dessa saída?

Qualidade de vida. Possibilidade de visitar o meu país sempre que necessário.

Espera um dia regressar a Portugal?

Se houver condições para tal.

Qual a sua relação com o autismo?

Sou autista. Sou co-fundadora da Associação Portuguesa do Autista. Sou também activista a nível internacional. Estou ligada à comunidade internacional do autista.

A associação procura o apoio na área de projecto de empreendedorismo social a nível europeu. Pertence ao Conselho Europeu de Pessoas Autistas.

No Reino Unido já existem maiores progressos quanto à acomodação do autismo na vida adulta?

Existe sempre a ideia de que no Reino Unido as coisas são sempre melhores. Nem sempre é assim e só depende das condições que são criadas em cada país para desenvolver este trabalho.

A partir do Reino Unido existe a oportunidade de contactar com pessoas que já estão a fazer este tipo de trabalho aqui e no resto da Europa, essencialmente dedicado aos adultos autistas, por haver pouca informação.

Há quantos anos está ligada ao projecto da Associação Portuguesa do Autista?

Ao autismo estou ligada desde que vim para o UK. Estou ligada à Associação Portuguesa do Autista desde a sua fundação, ou seja, há um ano.

Desde o momento que se envolveu com esta causa, sente que houve progresso?

Sinto que houve uma evolução. Existe uma plataforma para dar voz aos projectos nas áreas da educação, da saúde e da formação. Já temos uma parceria com uma empresa portuguesa de vestuário inclusivo com roupa sensorial.

O que significa roupa sensorial?

Roupa sensorial destina-se a pessoas com desordem de processamento sensorial, provocando estímulos hipo reactivos ou híper reactivos. Estas roupas não têm etiquetas, apenas têm costura mínimas para não interferir com a pele e são roupa de algodão adequadas a adultos.

Da condição de autista, quais são os pontos fortes que destaca?

Racionalidade, lógica, elevada capacidade para detectar padrões, híper foco em determinados interesses, capacidade de memória adicional para esses interesses. Destaco ainda a frontalidade sem filtro pelo facto de sermos demasiado honestos e por esse motivo a dificuldade de socialização.

Por vezes existem dificuldades de reciprocidade emocional numa iniciação ou no desenvolvimento de uma conversa.

Existe um problema da empatia dupla. As relações na criação de empatia ou no desenvolvimento de uma conversa, funcionam entre autistas, mas existem quebras de comunicação entre um autista e o resto do mundo.

O código de comunicação e socialização (e não biológica) tem uma base cultural e o problema poderá advir daí.

 

06-04-2022

O autor produziu este artigo de opinião, da sua responsabilidade, em exclusivo para os leitores do jornal online LUSO.EU. Escreveu de acordo com as regras ortográficas anteriores ao Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990.

João Pires

Luso.eu - Jornal das comunidades
Author: Joao PiresEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 620  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30