Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades Portuguesas - A HISTÓRIA DE UM RETORNADO DE ÁFRICA
sexta-feira, 01 março 2024

CANDIDATOS DO PS NA FEIRA…

Fev. 29, 2024 Hits:164 Opinião

Não cedamos à facilidad…

Fev. 29, 2024 Hits:309 Opinião

Quero ser uma árvore

Fev. 24, 2024 Hits:657 Crónicas

Morre Navalny mas não a …

Fev. 24, 2024 Hits:201 Opinião

COMPETÊNCIA CÍVICA

Fev. 15, 2024 Hits:376 Crónicas

UNIVERSITAS

Fev. 14, 2024 Hits:290 Crónicas

CIDADÃO DECISOR

Fev. 10, 2024 Hits:253 Crónicas

Desconsideração políti…

Fev. 09, 2024 Hits:637 Opinião

Haja diferenças!

Fev. 07, 2024 Hits:319 Opinião

O Homem: um ser limitado

Fev. 06, 2024 Hits:297 Crónicas

O BANCO NOVO

Fev. 06, 2024 Hits:430 Crónicas

Entre a Esperança e a In…

Fev. 04, 2024 Hits:246 Opinião

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Fev. 04, 2024 Hits:365 Crónicas

A HISTÓRIA DE UM RETORNADO DE ÁFRICA





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor!


Uma vida de trabalho árduo e desafios

O entrevistado João Pedro Valente Ernesto é um dos muitos retornados brancos que deixaram as antigas colónias portuguesas em África após a Revolução de 25 de Abril de 1974. 

4 minutos de leitura

25 de janeiro de 2024, por João Pires

No seu testemunho, relata a verdadeira condição dos retornados, apresentada como muito diferente da perspectiva comum: os retornados não eram privilegiados nem viviam num paraíso tropical, mas sim em condições de trabalho árduo, sem acesso a luxos e, muitas vezes vivendo em zonas pouco povoadas e remotas. 

O entrevistado defende também que a maioria dos colonos brancos respeitava os povos negros e não participava da subjugação colonial, sendo antes vítimas do sistema colonialista português. No final, aponta o papel importante que os negros tiveram na sua vida e formação como pessoal. O entrevistado não concorda com a perspectiva de que os colonos brancos eram pobres e desesperados que «exportavam a pobreza» de Portugal para África e afirma que a sua viagem a África não se deveu a um desejo de escapar à pobreza, mas sim à procura de uma oportunidade de vida melhor!

P.: Qual foi a sua experiência como retornados brancos em África? 

R.: Só posso falar pela minha experiência pessoal. Vim para Portugal continental aos 10 anos para estudar no colégio Salesianos, onde o meu pai também estudou. A minha mãe era modista e a minha avó trabalhava nos Laboratórios Zimaia. A minha família tinha dificuldades financeiras e o meu pai teve que trabalhar como conferente de cargas e descargas para sustentar a nossa família. Quando o General Gabriel Teixeira, que conheceu o meu pai no colégio, tornou-se Governador Geral de Moçambique, enviou uma carta de chamada para o meu pai. A família mudou-se para Moçambique em 1952 e por lá permaneceu até 1977. A minha experiência foi trabalhar duramente, sem os privilégios que muitos acreditam que os colonos portugueses gozavam. Fui educado por negros e aprendi a respeitá-los e a apreciar a liberdade individual e coletiva que tínhamos lá. 

P.: Acredita que os retornados viveram um paraíso em África? 

R.: Não acredito que os retornados viveram um paraíso em África. A maioria dos portugueses que foram para lá tinham dificuldades financeiras e trabalhavam arduamente. Aos nove anos, o meu pai ficou só no mundo, pelo que teve que roubar para comer, antes de ter dado entrada nos Salesianos de Lisboa, pela mão de uma tia. Os retornados eram acusados de roubar os postos de trabalho aos portugueses que nunca saíram de Portugal, mas a realidade é que a maioria dos retornados passaram por muitas dificuldades financeiras. 

P.: Qual é a sua opinião sobre a acusação de que os retornados portugueses foram peões no xadrez colonial e desempenharam um papel essencial na subjugação dos povos colonizados? 

R.: Eu não concordo com essa acusação. A maioria dos colonos portugueses em África respeitava os negros e queria ser respeitada por eles. A PIDE, que não tinha mãos largas em Moçambique, não conseguia impor a sua vontade sobre a maioria dos colonos portugueses. Na minha opinião, a ditadura foi responsável pela exportação da pobreza de Portugal para África. 

P.: Muitos retornados ficaram desalojados e em dificuldades depois de regressar de África. Como se sentiu ao regressar a Portugal?

R.: Não nos sentimos mal ao regressar a Portugal. Ficou uma sensação de perda, mas Portugal era a nossa Pátria e tivemos que partir de África por razões de segurança. Muitos portugueses que emigraram para França, Alemanha e Brasil tiveram que fazer o mesmo. O retorno foi difícil para todos os retornados, mas a maioria tinha ligações familiares em Portugal e já conhecia o que eram os habitantes de cá. 

P.: Houve algum sentimento de mágoa em relação a Portugal após o regresso?

R.: Não houve qualquer sentimento de mágoa. Portugal era a nossa Pátria e não tivemos mágoa ao regressar. Claro que sentimos falta de África, mas a maioria de nós tinha ligações familiares em Portugal e já conhecia o que eram os habitantes de cá.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Joao Pires
Author: Joao PiresEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos



Luso.eu | Jornal Notícias das Comunidades
Partilhe o nosso conteúdo!

A nossa newsletter

Jornal das Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 662  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

Top News Embaixada

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
 
 
0
Partilhas
0
Partilhas