segunda-feira, 08 agosto 2022

Consequências do Dever

Ago. 08, 2022 Hits:31 Crónicas

A Sombra e as Árvores

Ago. 07, 2022 Hits:166 Crónicas

Pai rico, Pai pobre

Ago. 04, 2022 Hits:180 Crónicas

DA LEITURA

Ago. 02, 2022 Hits:56 Crónicas

Enquanto o pau vai e vem

Jul. 31, 2022 Hits:77 Crónicas

É PROIBIDO NASCER EM AGO…

Jul. 29, 2022 Hits:651 Opinião

As “CONTAS CERTAS” de…

Jul. 25, 2022 Hits:708 Opinião

Espanto e Vergonha

Jul. 17, 2022 Hits:99 Crónicas

A falta que o mar me faz

Jul. 12, 2022 Hits:704 Crónicas

EM SANFINS DE FERREIRA

Jul. 11, 2022 Hits:205 Crónicas

TRADIÇÃO E REVERÊNCIA A vida e os vivos, acima de tudo!





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


Acontece logo no primeiro dia de Novembro! Quando, em simultâneo, assistimos a uma notória transformação da própria natureza.

O recolhimento, a reflexão e a saudade, cingidos de esperança têm, neste tempo, maior incidência sobre nós; em relação aos que já partiram, mas também pelo que somos, neste peregrinar incerto e conscientes da nossa fragilidade humana. Mais dilacerante ainda, com os efeitos de sujeição, em que vivemos; a epidemia de contornos imprevisíveis, amedronta e condiciona. A tradição da ida aos cemitérios, inclui o espectro da morte própria; ninguém quer morrer!

Mas a morte é uma realidade de todos os tempos. Foram e continuam a ser muitos, os artifícios e as teorias, desenvolvidas por filósofos, teólogos e outros pensadores, em busca de resposta, explicação, mais ou menos racional, à luz dos seus conhecimentos e/ou crença. E surge aquela pergunta de sempre: como é que o ser humano vive após a sua morte física? Haverá esse além prometido, idealizado? O conceito que o homem faz dessa realidade varia, em função da educação, da filosofia de vida ou religião, bem como da maturidade e grau de espiritualidade, de cada um. As correntes filosóficas ou religiosas que maior ou menor profundidade têm procurado explicar aquele estado, são inúmeras e temporais.

Na sua maioria, numa descarada atitude de suborno, mentira, ameaça... Que visam obter dinheiro fácil, muito e em pouco tempo! Das tantas correntes de pensamento podemos destacar uma única que desde os primórdios dos tempos vem propondo a mesma explicação até hoje: aquela que nos é revelada através das Escrituras e da promessa numa vida eterna, sublimada pelos anjos e arcanjos. Mesmo assim, tal definição, profunda e coerente, não tem encontrado aceitação numa boa parte dos próprios cristãos, existindo uma grande diversidade na interpretação dessa Palavra. Apesar de tudo, a morte continua a ser um enigma; subsiste o mistério! O homem permanece sujeito à lei que a Natureza lhe vai impondo, sem hipótese de resposta! Logo ao nascer uma certeza o acompanha na vida: a morte! Rico ou pobre, grande ou pequeno, todos havemos de passar a fronteira que nos separa da outra margem rumo ao infinito, numa viagem sem retorno que convém preparar; de facto “não existe atalho para a santidade”!

De pouco ou nada servem as lágrimas, as palavras ou os gestos, tantos sinais exteriores de tristeza e condolência, quando em vida nos alheamos das boas práticas, da comiseração e das boas maneiras! Como refere o Papa e bem, sobre o ser humano, que considera estranho, nomeadamente, quando, “se afasta dos vivos e se agarra, desesperado quando estes morrem; fica anos sem conversar com um vivo, desculpa-se e faz homenagens, quando este morre; zanga-se com os vivos e leva flores aos mortos”! O Papa Francisco conclui: “Aos olhos cegos do homem, o valor do ser humano está na sua morte, e não na sua vida”! Grande verdade que nos devia fazer mudar de atitude. Já pensamos, a sério, nisso? Podemos facilmente entender que, os adornos das nossas sepulturas, sendo importantes, não são a essência da Solenidade de Todos os Santos e Fiéis Defuntos, memorável demonstração de fé e saudade.

Que esta sentida homenagem aos nossos familiares e amigos, em tempo de pandemia, nos ajude a encontrar caminhos novos de reconciliação, de harmonia e de paz. Que a nossa preocupação, seja centrada sobre o essencial, em detrimento do ilusório, do perecível e acessório. Primeiro os que vivem ao nosso lado, tantas vezes do mesmo sangue; a vida e os vivos, acima de tudo e de todos!

Luso.eu - Jornal das comunidades
António Fernandes
Author: António FernandesEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 1527 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31