sexta-feira, 27 janeiro 2023

Isto não é um país É …

Jan. 20, 2023 Hits:266 Opinião

Epistocracia - O óptimo …

Jan. 15, 2023 Hits:989 Opinião

No Palácio do Raio

Jan. 15, 2023 Hits:400 Apontamentos

Távora- Varosa

Jan. 13, 2023 Hits:142 Crónicas

MAESTRO

Jan. 13, 2023 Hits:177 Crónicas

Braga de traço recente

Jan. 11, 2023 Hits:905 Apontamentos

Reforma Lei Eleitoral - M…

Jan. 11, 2023 Hits:165 Opinião

Racionalidade Politicamen…

Jan. 09, 2023 Hits:194 Opinião

A caminho de Salir

Jan. 08, 2023 Hits:1009 Crónicas

NO DEALBAR DE UM NOVO ANO

Jan. 08, 2023 Hits:385 Crónicas

Homem condenado a 23 anos de prisão por homicídio no Funchal





A sua generosidade permite a publicação diária de notícias, artigos de opinião, crónicas e informação do interesse das comunidades portuguesas.


O Tribunal da Comarca da Madeira condenou hoje a 23 anos de prisão um homem de 64 anos acusado de matar a tiro outro homem num bar no Funchal em 2020, considerando que o crime ocorreu por “motivo fútil”.

O coletivo de juízes, presidido por Carla Meneses, indica que ficou provada a prática dos crimes de homicídio qualificado consumado, ofensa qualificada e coação, todos agravados pela utilização de arma de fogo, e também o crime de detenção de arma proibida.

O arguido, José Luís, que foi absolvido de um crime de homicídio na forma tentada, foi ainda condenado a pagar de cerca de 140 mil euros em indemnizações.

O acórdão refere que o Tribunal dispôs de “vasta prova” das acusações, obtida através de testemunhas e de imagens de câmaras de videovigilância, que contrariam os argumentos de José Luís, que alegou ter agido em legítima defesa, utilizando durante o julgamento uma estratégia de “vitimização”.

O caso remonta à noite de 20 de novembro de 2020, num bar da Rua das Hortas, no centro do Funchal, onde o arguido se desentendeu com a vítima – José Carlos Santos, de 51 anos – sobre o pagamento das bebidas consumidas e a consumir, tendo abandonado o local durante cerca de meia hora, regressando às 23:30 munido de um revólver, que disparou, provocando-lhe a morte.

A vítima integrava o grupo de amigos do homicida e estava sentada à mesa quando o disparo foi efetuado contra o lado esquerdo do seu peito, à distância de um metro.

O arguido apontou ainda a arma à empregada do bar e a um elemento do grupo de amigos, um homem de 43 anos, que foi atingido na perna esquerda por um segundo tiro.

No período em que esteve ausente do bar, José Luís ameaçou com o revólver um homem que se aproximou da viatura onde se encontrava, aparentemente a discutir com uma amiga.

Durante o julgamento, que teve início em 09 de setembro de 2021, o arguido alegou ter agido em legítima defesa, afirmando que se não disparasse teria sido ele a morrer naquele dia.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Redacção
Author: RedacçãoEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicione o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

TEMOS NO SITE

Temos 491  pessoas que estão a ver esta página no momento, e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31