Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
quinta-feira, 02 dezembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Rotura de medicamentos é problema grave para três em cada quatro hospitais



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

As roturas de medicamentos são um problema grave para três em cada quatro hospitais e quase metade diz que afeta todos os tipos de fármacos, segundo um relatório hoje divulgado.

O Índex Nacional do Acesso ao Medicamento Hospitalar, promovido pela Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH), indica que, apesar de tudo, este valor baixou relativamente aos dados de 2018, quando era um problema grave para a totalidade das instituições.

As roturas graves de medicamentos e o facto de a utilização de medicamentos não ser baseada em resultados reais são as dimensões que apresentam valores mais baixos no índex, que para 2020 se situa nos 66%.

“Além das roturas há também a incapacidade que atualmente as instituições têm para medir os resultados dos medicamentos, ou seja, não basta termos acesso a um medicamento (…), importa perceber se esse medicamento está a ter resultados clínicos para o doente”, explicou o presidente da APAH.

Alexandre Lourenço lamenta que, apesar da legislação e da própria vontade da agência reguladora (Infarmed), ainda não se consiga avaliar realmente os efeitos dos medicamentos que estão a ser usados, particularmente os muito dispendiosos.

Um em cada três hospitais abrangidos neste relatório considera que as roturas afetam apenas medicamentos com genéricos, mas 44% dizem que afetam todos os medicamentos (eram 26% em 2018). Metade diz que acontecem mensalmente e 30% semanalmente.

Este trabalho, que teve a coordenação científica da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa e o apoio da Ordem dos Farmacêuticos, refere ainda que, dos que monitorizam os resultados das novas terapêuticas, apenas 28% efetuam análises de dados relativos à utilização dos medicamentos em contexto de vida real.

Na identificação das barreiras ao acesso do medicamento, o documento aponta a carga administrativa (70%), a ineficiência dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (50%) e a falta de verbas disponíveis (37%).


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 585 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia