Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Covid-19: Cascais aposta na produção de máscaras e já vende a outros municípios

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) – A produção de máscaras cirúrgicas, com equipamento vindo da China, transformou Cascais num concelho autossuficiente neste equipamento de proteção individual, um projeto camarário que já abastece outros municípios.

Desde 01 de junho que a sexagenária Maria Isabel Branquinho encontrou um novo trabalho a combater a covid-19, a mesma doença que lhe retirou o antigo emprego há uns meses. Agora, é uma das 25 funcionárias de uma fábrica de máscaras cirúrgicas, um projeto autárquico inovador em Portugal.

"Está a ser ótimo. Para nós é bom porque somos pessoas ativas, não gostamos de estar muito tempo parados. É uma ocupação, faz bem ter qualquer coisa para fazer e, claro, é uma ajuda no fim do mês", diz enquanto vai embalando mais um conjunto de máscaras, que serão colocados em dispensadores para os munícipes do concelho.

Casicais reconverteu um antigo armazém numa fábrica de produção de máscaras cirúrgicas, numa altura inicial da pandemia de covid-19, em que as autoridades de saúde ainda debatiam se o uso de máscara devia ser obrigatório ou até aconselhado.

Num investimento de 500 mil euros, até para fazer face à inflação deste tipo de equipamentos, a autarquia passou a poder fornecer a custos residuais todos os munícipes e instituições.

Cascais procurou estar "um passo à frente" da doença, explicou à Lusa o vice-presidente da Câmara, Miguel Pinto Luz.

"Tínhamos de combater na linha da frente este flagelo. Esse combate faz-se com meios, e esta iniciativa surge porque o preço das máscaras estava a valores completamente incomportáveis, que nunca antes tinham sido atingidos. Por isso, sentimos a necessidade de dar um passo em frente e montar uma fábrica de produção de máscaras cirúrgicas certificadas”, explicou.

Nesse sentido, “comprámos na China duas máquinas e hoje temos uma capacidade de produção de mais de cinco milhões de máscaras por mês, com um custo de produção por unidade que é metade do melhor preço praticado pelo mercado", explicou o autarca.

Por todo o concelho de Cascais foram colocados dispensadores de máscaras, que permitem a qualquer cidadão adquirir uma embalagem com quatro unidades por um euro.

A capacidade instalada na fábrica é já possível ao município fazer chegar este material a outras instituições.

"Não vivemos em compartimentos estanques, somos solidários com todos os outros, e precisamente por isso disponibilizamos máscaras destas a outros municípios e outras empresas. Esta iniciativa torna-nos autossuficientes, mas também estamos disponíveis para vender a outras entidades", acrescentou.

Empresas do concelho de Cascais podem adquirir as máscaras por trinta cêntimos a unidade, enquanto outras autarquias e empresas fora do concelho podem fazê-lo pagando quarenta cêntimos.

Apesar desta possibilidade, Miguel Pinto Luz frisa que o objetivo da autarquia não é fazer negócio com estes equipamentos, mas antes servir os cidadãos.

"As máscaras destinam-se fundamentalmente às nossas IPSS, aos nossos concidadãos, e muitas são completamente oferecidas. Estamos nos bairros sociais, no foco dos novos surtos que estão a surgir, e essas máscaras são distribuídas de forma gratuita a todos", realça.

À margem do combate a um problema de saúde, o autarca destaca que o município procurou com este projeto fazer também frente a outro "flagelo" que a covid-19 originou: o desemprego.

"Temos uma parceria com o centro de emprego e grande parte das pessoas que estão hoje a trabalhar connosco vieram dessa ligação, precisamente para combater esse flagelo económico e social, um tema a que também estamos muito atentos", explicou Miguel Pinto Luz.

Esse foi o caso de Maria Isabel Branquinho que chegou à nova fábrica através do centro de emprego, podendo agora combinar um salário com o apoio à luta contra a doença.

"Fiquei desempregada quando começou a covid-19, a escola onde estava fechou. O meu marido esteve a trabalhar um ano e meio, mas quando começaram a mandar pessoas embora também ficou desempregado e foi assim que viemos para aqui fazer as máscaras", resumiu a funcionária.

 

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Tweets

José Manuel Fernandes alerta para urgência no reforço da prevenção contra fogos https://t.co/n0E8WRa0MT
Covid-19: Portugueses no Luxemburgo preparam-se para férias na terra mesmo com receios https://t.co/Vv9786ZLVL
José Andrade acredita que "ser açoriano é resistir às adversidades da natureza e às contrariedades do centralismo” https://t.co/HVbA9Gz4ua
Follow Jornal das Comunidades on Twitter