Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Covid-19: Câmara de Lobos defende salários a 100% para trabalhadores afetados pela cerca sanitária

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

 (Lusa) - A Câmara Municipal de Câmara de Lobos, na Madeira, defende o pagamento do salário a 100% pela Segurança Social a todos os trabalhadores impedidos de exercer a sua atividade durante a cerca sanitária, que foi levantada às 00:00 de hoje.

"Queremos o mesmo tratamento que o concelho de Ovar teve no que concerne ao pagamento dos salários a 100%, não só aos residentes da freguesia de Câmara de Lobos, mas também a todos aqueles que, sendo de fora da freguesia, exerciam a sua atividade dentro da freguesia", disse o presidente da autarquia, Pedro Coelho, em declarações à agência Lusa.

A identificação de uma cadeia de transmissão de covid-19 no bairro social Nova Cidade, na freguesia sede do concelho de Câmara de Lobos, a oeste do Funchal, levou o Governo Regional, de coligação PSD/CDS-PP, a decretar uma cerca sanitária por um período de 14 dias, entre 19 de abril e 02 de maio.

"Foi a melhor solução, tendo em conta os casos que tivemos de uma forma exponencial, em particular num bairro social", afirmou o autarca, eleito pelo PSD, vincando que a população da freguesia, cerca de 18 mil pessoas, compreendeu a situação e respeitou as orientações das autoridades de saúde e das forças de segurança.

"Os câmara-lobenses e, em particular, os residentes desta freguesia, deram uma lição a muita gente", reforçou.

As autoridades de saúde sinalizaram 31 doentes na cadeia de transmissão em Câmara de Lobos, entre os quais sete casos importados [pessoas que viajaram para o continente e regressaram à ilha] e 24 casos de transmissão local.

Na sequência da cerca sanitária, foram já efetuados 778 testes à covid-19, com particular incidência no complexo habitacional Nova Cidade, onde residem cerca de 600 pessoas, todos com resultado negativo.

"Agora, a Câmara Municipal tem um trabalho enorme para continuar o apoio social, mas também o apoio ao tecido empresarial local", afirmou Pedro Coelho, insistindo no pagamento do salário a 100% pela Segurança Social a todos os trabalhadores que exercem a sua atividade na freguesia, independentemente de serem ou não residentes.

O autarca sublinha que a solução terá de ser a mesma aplicada ao concelho de Ovar, onde esteve em vigor uma cerca sanitária entre 19 de março e 17 de abril, devido à disseminação local do vírus SARS-CoV-2.

"Nós não temos dois Estados. A Segurança Social é nacional. Em Ovar, a Segurança Social pagou aos trabalhadores de dentro do concelho e aos que, estando fora, exerciam a sua atividade em Ovar. Por isso, não podemos ter duas medidas diferentes para a mesma situação, que foi a criação da cerca sanitária", disse.

A Madeira regista 86 casos de covid-19, já com 47 recuperados, segundo dados divulgados domingo pelas autoridades regionais de saúde.

Dos 39 casos de infeção ativa, apenas um doente se encontra hospitalizado, sendo que os restantes apresentam sintomas ligeiros e estão em isolamento no domicílio e numa unidade hoteleira requisitada pelo Governo Regional.

Em Portugal, morreram 1.023 pessoas das 25.190 confirmadas como infetadas, e há 1.671 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 241 mil mortos e infetou cerca de 3,4 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

Mais de um milhão de doentes foram considerados curados.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

Antiga estação de Comboios do Coa https://t.co/fTZEKjEvYn
Autarquia de Caminha atribui incentivos a 17 estudantes do ensino superior https://t.co/xU6KrRNZqh
Pinto da Costa com conversa marcada com Sérgio Conceição para falar da renovação https://t.co/fQ6zZREOq8
Follow Jornal das Comunidades on Twitter