Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Ausência de debate sobre racismo em Portugal estendeu-se à diáspora luso-americana

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) - A comunidade luso-americana da Califórnia herdou o racismo histórico "que não foi endereçado [discutido] em larga escala por Portugal", disse o 'chef' luso-descendente Antelmo Faria, durante um fórum virtual sobre racismo e discriminação.

"Uma coisa que temos de fazer é dar um passo atrás e assumir a responsabilidade", disse o dono do restaurante português Uma Casa, em São Francisco, referindo que os portugueses estiveram sempre envolvidos no tráfico transatlântico de escravos africanos. "Penso que essa é uma grande nuvem que paira sobre a comunidade portuguesa, nunca houve uma tentativa séria de abordar isto [o racismo] como cultura, como povo", acrescentou.

O 'chef' falava no primeiro fórum virtual organizado pela Coligação Luso-Americana da Califórnia (CPAC) para debater o racismo na comunidade portuguesa, que decorreu esta madrugada e teve também a participação de Mary Xavier, Anthony Esteves, José Luis da Silva e Rosemary Serpa-Caso.

Um dos pontos debatidos foi a influência da guerra colonial na perceção e mentalidade. "Há toda uma geração para quem os africanos eram os inimigos", frisou Antelmo Faria, chamando a atenção para o facto de que os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) têm pouca ou nenhuma visibilidade nas celebrações da comunidade portuguesa nos Estados Unidos.

O presidente da CPAC, Diniz Borges, afirmou no debate que "os portugueses têm de ter uma conversa longa com a diáspora sobre o papel do colonialismo na sua história", algo que não foi feito de forma extensa até agora.

"Na comunidade portuguesa é difícil ter estas conversas, até mesmo chamar a atenção quando alguém diz uma anedota racista", disse a assistente social Mary Xavier. "O movimento Black Lives Matter está a motivar estas conversas importantes e esperamos que as pessoas se tornem mais conscientes de que nem toda a gente tem a mesma experiência de vida na América".

Os protestos liderados por este movimento, após a morte do afro-americano George Floyd às mãos da polícia, no final de maio, foram o mote para o fórum organizado pela CPAC, numa altura em que a perceção do Black Lives Matter na comunidade portuguesa é controversa.

"Acredito que todas as vidas importam, mas as vidas dos negros importam agora", sublinhou Rosemary Serpa-Caso, contrapondo ao lema All Lives Matter (todas as vidas importam), com que os críticos respondem ao movimento Black Lives Matter. "Neste momento, precisamos de nos focar nos indivíduos a quem os direitos estão a ser retirados".

Anthony Esteves, que disse ter começado a notar atitudes racistas nas festas portuguesas nos anos noventa, afirmou que as gerações mais novas estão a educar-se melhor sobre este tema e sobre as várias camadas da história de Portugal.

"Educação e empatia é do que precisamos mais", disse o escritor lusodescendente, que tem apoiado publicamente o movimento Black Lives Matter.

José Luís da Silva afirmou no debate que há uma "mudança geracional" e que os mais novos têm uma mentalidade mais aberta, ao contrário das gerações anteriores e da sua "definição muito limitada dos grupos étnicos".

O professor lembrou que muitos portugueses não queriam enviar os filhos para a escola secundária de São José, por causa dos alunos de origem sul-americana. "O racismo era muito claro contra os mexicanos", disse.

Antelmo Faria disse que essa atitude reflete a forma como os emigrantes se integraram nos Estados Unidos. "Os portugueses foram emigrantes. Mas não emigraram para este país como pessoas de cor", notou. "Tiveram a capacidade de se assimilarem na cultura popular americana, os Josés tornaram-se Joes e os Antónios tornaram-se Tonys, porque era importante não serem vistos como forasteiros", afirmou.

O 'chef' considerou que a comunidade emigrante interiorizou as atitudes vigentes em relação às minorias étnicas, absorvendo os costumes e passando também a apontar o dedo aos outros.

"Tenho muito orgulho de ser português", disse Antelmo Faria. "Penso que parte de ter orgulho de quem somos é aceitar as transgressões que ocorreram e não apenas escolher a dedo as partes que dão jeito e dispensar o resto".

A organização deste fórum teve o apoio da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD), e a CPAC pretende trabalhar com outras organizações, como o Conselho de Liderança Luso-americano (PALCUS), para abordar mais questões sociais de relevo em edições mensais de debate.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Tweets

Lisboa a Lagos e Ceuta 600 anos depois https://t.co/haCCQyQx8h
Covid-19: Autarcas da AMLisboa podem alterar horário de funcionamento do comércio - Governo https://t.co/rAyTdbQfMR
Covid-19: Portugal com mais seis mortes e 325 novos casos nas últimas 24 horas https://t.co/6raV0XLVbL
Follow Jornal das Comunidades on Twitter