Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Covid-19: Comunidade portuguesa recolhe 10 toneladas de alimentos em França

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) - A iniciativa "Todos juntos", organizada este sábado pela comunidade portuguesa na região de Paris, recolheu 10 toneladas de alimentos, 250 caixotes de roupa e mais de 10 mil euros em donativos para ajudar quem mais sofre com a covid-19.

"É um sucesso. Pedimos à comunidade para se unir e estamos a ter um resultado interessante. [...] É um êxito, mais não seja porque os portugueses se uniram", afirmou à agência Lusa o diretor-geral da Rádio Alfa, Fernando Lopes, que encabeça esta iniciativa.

As doações começaram a chegar cedo à sede da Rádio Alfa, rádio que difunde em português na região parisiense. Paletes com batatas, açúcar ou legumes, mas também caixotes com roupa e brinquedos rapidamente encheram a sala onde se controlaram as doações.

Para ajudar na triagem e na organização de todas as doações, esta iniciativa contou com mais de 180 voluntários.

"É com muito orgulho que conseguimos reunir estas pessoas todas. Tivemos uma adesão bastante grande e ficaríamos ainda mais felizes se as pessoas que fossem receber toda esta recolha, sobretudo os alimentos, pudessem sentir a felicidade e o carinho que nós vamos tentar transmitir ao oferecer estes produtos", disse o presidente da associação Les Amis du Plateau, em Champigny-sur-Marne, Joaquim Barros, que organizou a receção dos géneros alimentares.

Ao mesmo tempo que se fazia a triagem na sede, uma caravana de carrinhas saiu das instalações da rádio para recolher doações em mais de 30 pontos diferentes na região parisiense, entre associações portuguesas e supermercados com produtos nacionais.

No Primland, em Romainville, os clientes eram incitados a doar antes de começarem as compras de sábado e muitos não ficavam indiferentes.

"Eu trabalhei durante todo o confinamento e posso dar. Prefiro dar aqui do que a outras instituições que não sei a quem vão dar", indicou Julieta Alves, que costuma ir àquele supermercado todos os fins de semana.

A crise da covid-19 não deixou ninguém indiferente em França e as consequências não se fazem sentir só na comunidade portuguesa, com dificuldades financeiras e perdas de emprego.

"Esta crise vai atingir todos. Claro que a comunidade portuguesa nos toca mais, são as nossas raízes e é o nosso país. Se já havia problemas, as coisas só têm tendência para ficar piores", disse Clotilde Lopes, que organizou os caixotes de roupa.

Entre paletes com alimentos, sacos de roupa e caixotes, cerca de 20 costureiras da associação Hirond'Ailes criavam máscaras para quem, mesmo os produtos de proteção individual, se tornaram demasiado caros.

"Estamos a contar acabar o dia com 1.000 máscaras. Desde 13 de março já fizemos mais de 6.000 máscaras para quem mais precisa. É sempre a mesma classe social a ficar mal e o nosso dever é ajudar. O que está ao nosso alcance são as máscaras laváveis, o que vai permitir às pessoas pouparem algum dinheiro", disse Suzette Fernandes, presidente da Hirond'Ailles.

Os bens e donativos em dinheiro vão agora ser distribuídos pela Santa Casa da Misericórdia de Paris, associações portuguesas que já fazem apoio social aos mais desfavorecidos e ainda igrejas portuguesas na região parisiense, mas a solidariedade não deve parar.

"A pandemia ainda não acabou. Não só em termos sanitários, mas também uma segunda fase que é a uma crise social e económica que vai destruir famílias e empregos. A nossa vontade é dizer que todos juntos conseguimos, talvez, dar uma solução a quem mais precisa", indicou Fernando Lopes.

A Rádio Alfa vai continuar a encaminhar as doações de quem não conseguiu comparecer este sábado para as instituições que estão no terreno.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Tweets

José Manuel Fernandes alerta para urgência no reforço da prevenção contra fogos https://t.co/n0E8WRa0MT
Covid-19: Portugueses no Luxemburgo preparam-se para férias na terra mesmo com receios https://t.co/Vv9786ZLVL
José Andrade acredita que "ser açoriano é resistir às adversidades da natureza e às contrariedades do centralismo” https://t.co/HVbA9Gz4ua
Follow Jornal das Comunidades on Twitter