Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Covid-19: Viagens de emigrantes a Portugal articuladas com países de proveniência

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

(Lusa) – As medidas que permitam viagens de emigrantes a Portugal “serão articuladas com os países de proveniência”, disse hoje o secretário de Estado da Saúde, admitindo que “ainda não está nada definido” quanto a uma possível obrigatoriedade de quarentena.

“São situações que não estão ainda completamente definidas, mas garantidamente irão ao encontro do que todos queremos, que é ter os nossos emigrantes connosco, mas com medidas de segurança devidamente programadas. Ainda não temos nada definido [sobre períodos de quarentena]. Essas medidas serão articuladas com os diferentes países de proveniência”, disse António Lacerda Sales.

O Governo de Espanha tornou hoje público que decidiu que todas as pessoas que entrem no país a partir de sexta-feira sejam colocadas de quarentena durante 14 dias.

Os trabalhadores transfronteiriços, os dos transportes e suas tripulações, bem como os profissionais de saúde que vão exercer a sua atividade laboral, ficam isentos desta medida, desde que não tenham estado em contacto com pessoas diagnosticadas com covid-19.

Durante essas duas semanas, as pessoas chegadas de outros países “deverão permanecer no seu domicílio ou alojamento”, podendo sair apenas para adquirir alimentos, produtos farmacêuticos e bens de primeira necessidade, ser assistidas em centros, serviços e estabelecimentos de saúde e por razões de força maior ou de necessidade.

Questionado se Portugal está a ponderar tomar medidas semelhantes, o governante disse, na conferência de imprensa diária sobre a pandemia covid-19 em Portugal, que “essas medidas fazem parte do dinamismo do surto” e frisou que serão “articuladas com os diferentes países das diferentes proveniências”, falando e “parceiros da Europa e não só”.

“Em relação a Espanha, por exemplo, a fronteira está fechada, mas serve para mercadorias, trabalhadores transfronteiriços e situações de emergência. Estamos em constante contacto com o Governo espanhol no sentido de podermos articular medidas e decisões e igualmente faremos com outros países de proveniência”, disse o secretário de Estado.

António Lacerda Sales apontou que “não falta muito” para se procurar “perceber quais foram os resultados do desconfinamento”, reiterando que as “decisões serão tomadas com flexibilidade e na devida proporcionalidade”.

“Estamos atentos à situação dos emigrantes de quem nós gostamos muito de ter em Portugal todos os anos (…) Dentro de algum tempo penso que poderemos começar a fazer algum balanço e a ter algumas respostas”, disse o governante.

Portugal contabiliza 1.163 mortos associados à covid-19 em 27.913 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais 19 mortos (+1,7%) e mais 234 casos de infeção (+0,8%).

Das pessoas infetadas, 709 estão hospitalizadas, das quais 113 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados é de 3.013.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.


RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Últimos Tweets

COVID-19: Cientista da UC avalia os prós e contras do uso de aplicações móveis no combate à pandemia https://t.co/0RdZX1Ylwc
COVID – 19 “OBRIGA” A EMENTAS ELECTRÓNICAS (Ponte de Lima) https://t.co/sSzatRExMF
Desconfinamento e agora? Posso voltar a "casa"? https://t.co/VL8CkYrcNn
Follow Jornal das Comunidades on Twitter