Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
domingo, 05 dezembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Sondagem

Os vacinados devem ter prioridade no acesso aos cuidados de saúde em relação aos não vacinados?
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
Total Votes:
First Vote:
Last Vote:

Entretenimento

  1. Entrevista
  2. LusoPodcast
  3. Foto do Mês

Pedro Rupio alerta para discriminação nas propinas da UAb para com portugueses no estrangeiro



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

Estudar na Universidade Aberta (UAb) custará cerca de 500 euros a mais para um português que viva no estrangeiro do que para um português que viva em Portugal. Esta semana, Pedro Rupio, Presidente do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa, alertou a Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes, para uma aparente discriminação do sistema de propinas da UAb em relação aos portugueses residentes no estrangeiro.

Na carta endereçada à Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Pedro Rupio referiu que “por cada unidade curricular, a Universidade cobra 120 euros a um português que viva fora de Portugal (e fora dos demais Países de Língua Oficial Portuguesa- PLOP) e 69,66 euros àqueles que tenham residência em Portugal ou àqueles que sejam residentes ou naturais de todos os demais PLOP”.

Dando um exemplo em concreto, Pedro Rupio explicou que “um português que viva em França pagará 1.200 euros, quando um brasileiro, também ele com residência em França, pagará um pouco menos de 700 euros. E esse mesmo montante de 700 euros também seria pago por um sueco residente em Angola”.

Desta forma, a UAb “oferece assim condições financeiras vantajosas para mais de 270 milhões de pessoas: os residentes em Portugal, os residentes e naturais de demais PLOP, mas não inclui os 5 milhões de portugueses e luso-descendentes que residem no estrangeiro”, sublinhou o Presidente do Conselho Regional das Comunidades Portuguesas na Europa.

De modo a reverter esta “aparente discriminação” no sistema de propinas da UAb para com os portugueses residentes no estrangeiro, Pedro Rupio pede a Berta Nunes que promova uma alteração no documento referente à homologação do regulamento de propinas da UAb.

No seu entender, esta seria uma maneira de alimentar o sentimento de inclusão à comunidade nacional e dinamizar o reencontro de Portugal com a sua diáspora.

Fundada há mais de 30 anos, a UAb é hoje a única instituição de ensino superior público portuguesa que permite um ensino integralmente organizado à distância.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Rúben Castro
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 279 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia