Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
terça-feira, 19 janeiro 2021

Ver cinema sobre cinema em casa



4 de Dezembro. Para muitos mais um dia, para outros uma data importante. Isto porque, é chegado finalmente o grande momento para os amantes do famoso “estilo Fincheriano”. Ao despertar, preparei um pequeno almoço bem reforçado, afinal, apesar de se tratar de uma sexta-feira, tive imensa coisa por fazer. O trabalho decorreu dentro do previsto, sem quaisquer inconvenientes, como tem acontecido desde março. Sinto-me tão bem nesta tranquilidade de teletrabalho, e apesar de sentir a falta do contacto com os meus colegas, a escrita de artigos e de conteúdos exige uma certa concentração, que só se atinge em plena solidão.

Depois de um dia bem passado, mantive o meu computador ligado, esse aparelho de bela aparência, mas que está cansado de estar ligado à corrente. Fi-lo porque iria assistir à estreia cinematográfica mais esperada do ano: “Mank”. O novo filme de David Fincher chegou à plataforma de streaming mais popular do mundo, para dar uma lição de história aos espectadores mais jovens, habituados a efeitos digitais e a ecrãs verdes. O objetivo da Netflix ao estrear este filme tem que ver com a constante aposta no cinema de autor, como aconteceu com Alfonso Cuarón (com “Roma” de 2018) e Martin Scorsese (com “O Irlandês” de 2019) e uma maneira paradoxal de aproximar-nos do cinema clássico. 

Quanto à trama de “Mank” seguimos a controversa aventura de Herman J. Mankiewicz (Gary Oldman), durante a escrita do argumento de “Citizen Kane”, em Portugal conhecido por “O Mundo a Seus Pés”. Não vemos tanto a luta de Mank contra Orson Welles (Tom Burke) pelos créditos do texto, mas sobretudo uma explosão de diálogos em permanentes flashbacks e flashforwards, para nos dar a conhecer Hollywood das décadas de 30 e 40. Além disso, viajamos no tempo para conhecer os principais rostos da política cinematográfica de então, como Louis B. Mayer (Arliss Howard) e, o homem a que Mankiewicz se inspirou para o protagonista de “Citizen Kane”: William Randolph Hearst (Charles Dance).

Tecnologicamente, “Mank” está recheado das melhores proezas, numa revisitação interessante àquilo que era possível fazer na época em termos de som, direção artística e fotografia. O preto e branco dá um foco sobre os corpos dos atores que parecem autênticas múmias num mundo que, como sabemos, agora faz parte do passado. A história, no entanto, não é tão antiga e retoma à força que as imagens em movimento têm na persuasão dos públicos. O cinema, a imprensa amarela de William Randolph Hearst (que passou a ser massificada nas redes sociais) não deixaram de nos enganar e o filme funciona bem por ser uma crítica ao sistema cultural norte-americano, que não está assim tão desvinculado dos interesses políticos.

No entanto, “Mank” deixou-me um bastante apreensivo em relação a outra questão. Tive que vê-lo duas vezes para ver se me consiga conectar emocionalmente com as personagens. Não aconteceu. Não há a magia dos romances e desromances de “La La Land: Melodia de Amor”, nem há a importância da memória que Quentin Tarantino tão magistralmente celebrou em “Era Uma Vez em… Hollywood”. As personagens falam, mas nem todos conseguirão entender o porquê… Por sua vez, acredito que os historiadores do cinema irão considerá-lo demasiado pretensioso e até banal porque já sabem tudo sobre os bastidores do filme que mudaria a sétima arte para sempre. 

Com sorte, temos Amanda Seyfried no melhor papel da sua carreira. A atriz não é protagonista neste filme, mas a sua personagem como Marion Davies é uma recriação perfeita das mulheres secundarizadas para segundo plano naquela Hollywood em que a imagem valia ouro. Esta Marion Davis é uma construção escrupulosa do star system e das suas “vítimas”, os atores esquecidos e fracassados, que tentaram jogar um jogo dominado por homens e homens milionários, onde a emoção deixou de importar e passou a valer a constante falta de escrúpulos.

Antes de descobrir “Mank” valerá a pena conhecer outros filmes de Orson Welles como “Citizen Kane” ou “A Dama de Xangai” ou até mesmo a assistir ao filme “Eva” (1950), escrito e realizado por Joseph L. Mankiewicz, o irmão quase esquecido de Herman que neste projeto identifica as ganâncias do mundo do cinema. 

O cinema também pode ser a arte da frieza, a arte do distanciamento emocional, mesmo que os filmes sejam praticamente todos vistos desde o espaço mais privado: a casa.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Virgílio Jesus
Author: Virgílio JesusEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Colunista
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Amante e cronista cultural, formado em Ciências da Comunicação em 2015, e com Mestrado em Cinema e Televisão, finalizado em 2017, pela Universidade Nova de Lisboa, já passou por vários meios portugueses e internacionais como editor de conteúdos, onde tem procurado despertar o interesse dos distintos espectadores para a ampla oferta do mundo do entretenimento.
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

TEMOS NO SITE

Temos 249 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Não existem eventos no calendário
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

Se você viu, o seu cliente também verá!