Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
domingo, 26 setembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Em Antuérpia

Set. 24, 2021 Hits:406 Apontamentos

Casa pode ser uma pessoa

Set. 24, 2021 Hits:401 Crónicas

Candidatura “Unir Arcoz…

Set. 24, 2021 Hits:428 Portugal

Porto de União: o mote c…

Set. 24, 2021 Hits:79 Portugal

Junta de Fornelos recuper…

Set. 23, 2021 Hits:416 Portugal

Universidade de Genebra r…

Set. 23, 2021 Hits:170 Cultura

Gante acolhe exposição …

Set. 22, 2021 Hits:539 Bélgica

Uma única regra para ser feliz



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

Felicidade é um conceito muito vago e dependente de preferências individuais. Todos sabemos. Ainda assim, insistimos em procurar atalhos para este fim como se uma lista de “X” pontos nos fosse realmente garantir o bem-estar pleno. Se formos a uma livraria facilmente encontramos obras de “autoajuda” – como se um livro de outra pessoa, com outros padrões de felicidade fosse garante de eficácia em cada um de nós – que pretendem facilitar este processo com “As 10 regras para ser feliz”. Eu próprio já tive interesse nesses contos de fadas, e como tal não pretendo denegrir quem o faz, mas sim estimular ao pensamento crítico quanto a estes atalhos para a felicidade.

Ora vejamos. Desde os crentes, aos ateus e até agnósticos, não conheço nenhum ser humano que procure ser infeliz. Pode não saber tomar as decisões mais acertadas tendo em conta os seus objetivos, porém o querer é semelhante: estar bem, sentir-se realizado, evitar o mal-estar. Se todos temos conceitos de felicidade diferentes, parece-me absurdo dar conselhos a alguém de como ser feliz já que essa felicidade irá pertencer a essa pessoa. Ainda assim, admito que existem princípios básicos que podemos aconselhar uns aos outros... mas regras e mandamentos parecem-me descabidos.

Em vez disso, proponho uma reflexão e aceitação: a vida não tem um sentido por isso o mal ou bem que me acontece tem a influência das minhas ações, muitas vezes sem ter noção para onde estou a ir. Antes de me mandar a esse sítio que está a pensar - caso seja crente no sentido da vida – por favor tente compreender onde quero chegar. É possível ser feliz sem fazer grande coisa para isso – o que chamamos sorte –, como também é possível ter bons comportamentos e ser infeliz – o que chamamos azar. No entanto, o universo é tão grande e nós tão insignificantes que me parece presunção achar que algo está a me beneficiar ou prejudicar mediante as minhas ações. As coisas “são o que são”.

O sentimento de que “isto não faz sentido” é compreensível e só existe porque somos racionais. Acontece quando a vida não nos dá aquilo que achamos que merecemos. Que estamos a fazer o suficiente para obter/atingir um objetivo, mas mesmo assim, a vida não nos dá isso. É aqui que divergimos uns dos outros: “Se deus quiser”; “ainda não chegou a minha hora”; “se eu acreditar vai acabar por acontecer”; “porquê eu”; “graças a Deus consegui”. Procuramos então estabelecer uma relação de causa-efeito que pode NÃO acontecer, precisamente, porque existem infinitos fatores que nós não dominamos.

Por isso, a minha proposta é compreender que mesmo fazendo o bem eu posso obter o mal, e mesmo fazendo o mal posso obter o bem. É mesmo assim, injusta muitas vezes, a vida. Agora, isso não quer dizer que seja motivo para desistir da vida. O que proponho é apenas aceitar que isso acontece e mesmo assim seguir o caminho daquilo que consideramos boas práticas: cuidar da nossa saúde (física, mental e social) com bons hábitos de vida; ter sonhos, mas sobretudo adotar comportamentos que nos levem realmente a eles, ou pelo menos perto disso. Julgo que ninguém pensa chegar a astronauta sem saber ler e escrever. 

“Bola para a frente” tem lógica. No jogo da vida a bola bate no poste, vai para a rua, rompe, e às vezes entra na baliza do outro lado. Não interessa o porquê, mas sim a manutenção do trabalho e a tentativa constante de melhorar. Pelo menos isso será o suficiente para deitar a cabeça na almofada e dormir tranquilamente. Pelo menos para mim.

Luso.eu - Jornal das comunidades
Afonso Franco
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 170 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

News Fotografia