Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
quarta-feira, 27 outubro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

O RESCALDO DAS ELEIÇÕES



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

Duas primeiras considerações.

Primeiro.

O valor da abstenção é ofensivo.

É inaceitável que os partidos teçam um simples comentário sobre isso, na noite eleitoral, e depois, durante toda a legislatura, não mais se importem.

Metade dos eleitores pura e simplesmente não querem saber.

Entregam a decisão da escolha de quem os vai governar a outros. Por uma de duas razões: ou confiam ou acham que lhes é indiferente.

Eu acredito na segunda hipótese.

Segundo.

O Chega só podia crescer já que são as suas primeiras eleições autárquicas e por isso partia do zero.

O problema é que o Chega não deu apenas um ar da sua graça.

Elegeu vereadores que vão fazer a diferença, através de eventuais coligações, em alguns municípios.

É preciso ver que o Chega concorreu com candidatos cujo único requisito era terem umas pernas e uns braços. A cabeça não era preciso pelo que se viu na campanha. Alguns eram castiços e outros verdadeiras piadas.

Sim, para programas de domingo à tarde mas não para governar terras.

Quando o absurdo foi eleito então é preciso reflectir. O que está em cima da mesa não é uma brincadeira e se a considerarmos como tal, ela pode-se constituir como uma ameaça.

Outras considerações.

O PCP parece estar condenado a desaparecer. O CDS igual (aguentou-se graças a algumas coligações ou apoios pontuais).

Dois partidos que fazem parte da nossa história democrática.

Em campos opostos da batalha é certo mas que a prosseguir neste caminho acabarão, na melhor das hipóteses, à sombra do perigoso Chega.

Na troca de cadeiras entre o PS e o PSD o grande derrotado da noite é Fernando Medina.

Medina a par de Nuno Santos e Marta Temido podem vir a suceder a Costa.

A meu ver, Medina, hoje, ficou fora do jogo.

Lamento que ninguém se lembre do Sérgio Sousa Pinto.

O grande vencedor da noite é Carlos Moedas.

Quem estava à espera da saída de Rui Rio, como Rangel, vai ter que ficar em banho Maria.

Talvez Rio continue e quem sabe Moedas o suceda.

Rio aguenta-se e Costa perde. E, perde porque, apesar de ter a maioria dos votos, hoje levou um cartão amarelo dos portugueses. Lisboa não é uma Câmara qualquer.

É uma incubadora de futuros Primeiros Ministros e Presidentes da República.

Carlos Moedas fintou Costa.

Por fim.

Se repararmos nos nossos dirigentes políticos de há trinta anos atrás e os comparamos com os actuais, percebemos como estámos num plano de decadência. Goste-se ou não deles, parecem-me incomparáveis.

No passado:

Freitas do Amaral, Sá Carneiro, Soares e Cunhal.

Hoje:

Chicão, Rio, Costa e Jerónimo.

Penso que está tudo dito!

Luso.eu - Jornal das comunidades
Damião Cunha Velho
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 197 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
30
31

News Fotografia