Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
terça-feira, 19 outubro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Europa vs. COVID-19: o círculo vicioso das crises europeias



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

Quatro meses após a crise pandémica associada ao vírus COVID-19 se ter iniciado, fica claro que o grande perdedor geopolítico da pandemia provavelmente será a União Europeia.

Os motivos são vários e vão para além do fraco desempenho dos Estados membros no uso de ferramentas integradas da UE para combater o tanto o vírus como o seu impacto económico - embora isso também tenha um papel importante.

A principal razão prende-se com o facto da habitual resiliência da União estar agora em risco devido a uma possível falência, tanto monetária como do sistema, que fortemente contribui para abalar, ainda mais, os esforços até agora feitos na unificação e fortificação da política externa. Vê-se uma notória pobreza de alicerces, que não só afetam a posição a UE dentro das suas fronteiras, mas também no resto do mundo.

O problema não chegou com a pandemia e as suas naturais consequências.  Há muito que se fala numa Europa esgotada, que em horas de crise não permanece coerente. Inicialmente certos países ignoraram a solidariedade dentro da União, onde alguns impuseram proibições de exportação de kits médicos vitais e colocaram controles de fronteira que, inclusive, deixou muitos cidadãos europeus retidos fora dos seus países de origem. Ainda, no preludio da crise, foram a Rússia e a China os responsáveis por enviar suplementos médicos para a Itália, enquanto seus vizinhos mais próximos não responderam imediatamente aos pedidos de ajuda de Roma.

Seguidamente a Alemanha, Áustria e o Luxemburgo reconduziram a sua ação no sentido contrário, abrindo os seus hospitais a pacientes dos países mais atingidos. A França e a Alemanha doaram mais máscaras para a Itália do que a China, de acordo com o executivo da UE.

Mesmo com uma viragem de discursos, em que os líderes europeus convergiram para uma resposta a esta crise de saúde pública, com a promessa de reformulação do sistema de gerenciamento de crises da UE, incluindo o financiamento para pesquisa de vacinas e aquisição conjunta de kits médicos, os países continuam divididos sobre como ajudar a economia. A pandemia reabriu as feridas da crise da zona do euro, ressuscitando estereótipos sobre os “perdulários” europeus do Sul e o velho Norte com o habitual “coração duro". "

Aguarda-se assim o desenrolar desta história, que apesar de nova faz presente a velha crise na confiança entre os Estados membros e dentro de todo o sistema, que acaba por ser o real problema Europeu.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 351 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
30
31

News Fotografia