Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
sexta-feira, 15 janeiro 2021

E Deus fez o Homem à sua imagem e semelhança



Neste Natal acompanhou a sua velha mãe à missa do Galo, que por motivos da pandemia se realizou ao ar livre no adro da igreja. Assistiu dando o apoio do corpo de homem maduro àquele que outrora o transportara dentro de si.

O Homem a Dias não frequenta qualquer Igreja ou crença, mas respeita-as a todas por igual. Quando é convidado pelo seu amigo hindu, também ele longe da pátria, pratica os rituais da casa do amigo. E se é convidado pelo seu amigo católico, antes da refeição dá graças a Deus, como o seu amigo.

Depois da missa, enquanto se afastava da igreja, o Homem a Dias deu consigo a repensar na questão que mais atenção lhe tinha despertado a Eucaristia. E que foi a afirmação, tantas vezes repetida e ouvida, de que Deus fez o Homem à sua imagem e semelhança. E começou a pensar na possível verdade de tal afirmação. O H. a D. gostava de perseguir a verdade até ao fim. Nada o entusiasmava tanto como perseguir um enigma. Pensou que a Verdade e o Erotismo se associam como a carne e a pele. Portanto, se a afirmação do celebrante era  válida, quem lesse a Bíblia ou a ouvisse  ler, só podia concluir o seguinte: em qualquer tempo e lugar Deus é a Humanidade no seu conjunto e na sua História, e só por defeito de análise, somos levados a imaginar o homem branco, europeu e ocidental. Um nativo americano, antes de Colombo (se lesse o nosso alfabeto) igualmente imaginaria um Deus com as características dos aztecas, ou noutro caso um Deus das pradarias do norte. O mesmo para um nativo africano. O mesmo para um nativo do extremo-oriente, ou dos mares do sul. Aqui, neste caso, como algumas tribos praticavam o canibalismo (talvez no pós-Apocalipse seja uma forma de a humanidade controlar a sobrepopulação!). O H. a D. pensou que logicamente desta forma Deus se auto-regulava.

A mãe, entretanto, tropeçara na calçada húmida, e o movimento do seu corpo fez o H. a D. concentrar-se nela para a apoiar. Com amargura, notou como os pisos das ruas, nas últimas décadas, foram desprezadas pelos poderes públicos em desfavor dos peões e melhoradas apenas tendo como benefício os automóveis e os automobilistas.

A mãe ia fazer noventa anos. Nascera no interior de Portugal.  Com dezasseis anos rumara para o Porto para servir como Mulher a Dias em casa de umas pessoas vagamente conhecidas. Teve sorte, pois esta família (um médico já reformado e sua esposa, com dois filhos a viverem longe) tratou-a sempre com dignidade. Eram pessoas que tinham uma biblioteca com muitos livros. E nos tempos livres, Joana Dias (o nome da mãe do H. a D.) aprendeu a gostar da leitura. Gostava principalmente de ler os livros de Camilo Castelo Branco.  Quando o último do casal faleceu, vinte anos depois, Joana Dias regressara à aldeia com um menino de seis anos que desconhecia o pai. Na aldeia, Joana distinguia-se das outras pessoas pelos modos mais suaves e algum requinte. O filho, o nosso Herberto Dias, aos onze anos, foi viver com uns tios na Guarda, onde fez o nono ano do Liceu e se tornou bancário.

Depois de refeitos do susto do tropeção na calçada, H. D. voltou aos seus pensamentos. E encontrou uma outra grande falha nas palavras do pároco e do seu rebanho. E que é a seguinte: os textos sagrados foram escritos e interpretados por homens. Mas a humanidade é composta por homens e mulheres. De modo que temos de perceber o Homem como uma manta de retalhos composta por dois géneros de muitas cores e identidades. Só assim se compreende que Deus tenha feito o Homem à sua imagem e semelhança.    

Luso.eu - Jornal das comunidades
Manuel Silva-Terra
Author: Manuel Silva-TerraWebsite: https://www.luso.euEmail: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.
Colunista
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Manuel Silva-Terra nasceu na freguesia de Orvalho, Beira Baixa. É professor de Filosofia e Psicologia. Fundou a editora Casa do Sul e a editora Licorne; editoras dedicadas ao ensaio, à cultura regional e à poesia. Organizou sete antologias de poesia de várias épocas. Como autor tem uma dúzia de livros publicados.
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!

TEMOS NO SITE

Temos 812 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Não existem eventos no calendário
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

Se você viu, o seu cliente também verá!