Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

A (re)construção da identidade dos lusodescendentes

IDT-N°/ : 4393
Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Em cena desde 21 de novembro, o musical “Fado – A Música mais Triste do Mundo”, uma peça composta pela dramaturga Elaine Ávila, professora de teatro do Douglas College em Vancouver, na costa oeste do Canadá, que retrata as barreiras linguísticas e culturais dos lusodescendentes, despediu-se no final da semana passada do palco do Firehall Arts Centre, localizado na mesma metrópole.

Segundo informações veiculadas pela dramaturga, filha de emigrantes açorianos, à imprensa, a peça teatral foi inspirada em histórias de vida de membros da comunidade portuguesa em Vancouver. Nomeadamente associados do Centro Cultural Português de Burnaby, na Colúmbia Britânica, a província mais ocidental do Canadá, onde se estima que vivam aproximadamente 35 mil portugueses e lusodescendentes.

Histórias de vida, nas palavras da luso-canadiana, de quem por exemplo, com “14 anos saiu de casa e veio trabalhar para o Canadá atravessando meio oceano, ou que viram pela primeira vez neve, que foi como que flores a caírem do céu”. Assim como, da sua própria trajetória de vida, testemunhando a mesma que quando “imigramos para um novo país, todos nós corremos o perigo de perdermos a nossa cultura, a própria língua, o que me aconteceu nos Estados Unidos, pois há muita pressão de fingirmos que não somos portugueses”.

Num país tão fortemente marcado pelo fenómeno migratório, tanto que se encontrarão na atualidade cerca de 5 milhões de portugueses e lusodescendentes espalhados pelos quatro cantos do mundo, a problemática da (re)construção da identidade dos lusodescendentes tem captado nos últimos anos a atenção de vários especialistas sobre a emigração lusa, alguns deles provenientes inclusive do espaço da lusodescendência.

Um desses exemplos paradigmáticos encontra-se vertido na tese de doutoramento da socióloga Heidi Martins. Nascida na Suíça e filha emigrantes de transmontanos, a lusodescendente concluiu o seu grau académico na Universidade do Luxemburgo, uma instituição de ensino superior de investigação multilingue e de foco internacional, com um trabalho dedicado à questão de identidade e sentimentos de pertença de filhos de emigrantes portugueses no Grão-Ducado. Nação europeia, onde os filhos da pátria de Camões são a comunidade estrangeira mais numerosa, contabilizando sensivelmente 95 mil pessoas, ou seja, cerca de 15% da população total.

Daniel Bastos
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

Entre em contacto : Daniel Bastos Perfil: Info

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Últimos Tweets

INEM encaminhou em média 13 casos por dia este ano para a Via Verde do AVC https://t.co/Lbg0vLmLPk
Covid-19: Portugal sai da lista suíça de países com chegadas condicionadas https://t.co/J9la1snmep
Covid-19: Bélgica é o país da Europa com mais casos por 100.000 habitantes https://t.co/wJJbmUcRgw
Follow Jornal das Comunidades on Twitter