Esta publicação é da responsabilidade exclusiva do seu autor.

Não fui «um funcionário cansado dum dia exemplar»

ID:N°/ Texto: 4385

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

       Bar do edifício Jacques Delors. Um homem bojudo presumia da sua condição de énarque e das áfricas que fizera numa missão em país longínquo; visivelmente por força de relação hierárquica, os seus acompanhantes pasmavam como basbaques. Duas senhoras urdiam conspirações comezinhas. A presença de militares recordou‑me que Bruxelas continua ameaçada de terrorismo.

        Repeti o pedido que faço na cafetaria do local onde trabalho — «un lait russe déca, très léger, tiède et sans mousse» — e nem quero imaginar o que a tal propósito diria Ivone Mendes da Silva, mordaz autora que escreveu: «De manhã no café ouvi um homem pedir uma meia‑de‑leite morna sem espuma em chávena normal e pensei que ali havia excesso de pormenores ainda que lassos. Uma forma de gongorismo tépido. E uma grande picuinhice.»[1]

       A colega sueca que me acompanhava pediu um bolo de arroz, a minha madalena de Proust. Fui transportado para as férias que, na infância e na adolescência, passava em Barcelos com avós maternos que me enchiam de afeição e a quem eu queria muito. Períodos que foram elemento importante da minha educação sentimental. O meu avô — um homem que viria a morrer de amor — levava‑me a uma pastelaria no largo da Porta Nova, na qual eu comia um bolo de arroz. Depois, íamos à igreja do Bom Jesus da Cruz; hoje afervoro‑me no Barroco, mas nesses tempos a igreja era lugar de mecânica oração e de pedir a Deus que fizesse de mim craque do Futebol Clube do Porto, não olhava à beleza da sua arquitetura. Por fim, encaminhávamo‑nos para o estádio Adelino Ribeiro Novo com o intuito de assistir a um jogo de futebol. Recordei o Djair, ágil e elástico guarda‑redes do Gil Vicente, confirmação de que nem só no circo há acrobatas. Ao anoitecer, a minha avó preparava um arroz com cheiro e sabor a carinho e eu dirigia‑lhe palavras desveladas.

        Sou funcionário e a vida que levo respiga muitas vezes o verso «a minha alma não acompanha a minha mão», do Poema dum funcionário cansado, de António Ramos Rosa. Naquele dia, a alma arrimada às susoditas memórias ajudou‑me a suportar sem pena nem protesto a dura tarde de trabalho que me esperava e — lanço mão do mesmo poema — eu não fui «um funcionário cansado dum dia exemplar».

[1] SILVA, Ivone Mendes da, Dano e Virtude, [s.l.], Língua Morta, 2017, p. 123.

Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.

Paulo Pego
Author: Paulo Pego
Colaborador convidado
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor.
 
Paulo Pego nasceu em 1967, em Barcelos (Portugal). É doutor em direito, professor da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra e jurista-linguista do Conselho da União Europeia, em Bruxelas (Bélgica). 

Publicou livros e artigos jurídicos e faz palestras sobre temas relacionados com a União Europeia. 

Paulo Pego é autor dos livros de poesia À Senoite (2009), A Lógica dos Corais (2013), Le Sel (2013), Livro das Pedras (2014) - publicados pela Orfeu (Bruxelas) -, Poesia (2014), Em Forma (2014) - publicados pela Anome Livros (Belo Horizonte, Brasil) –, Viagem (2015) – Editora Licorne –, Vida sem Demão (2015) – Editora Labirinto – e Entre-Tecidos (2016; textos de Paulo Pego e obra plástica de Sónia Aniceto) – Editora Licorne.

Publicou contos e traduziu para português poemas de Ada Christen e de Francisca Stoecklin. Participou igualmente em exposições de fotografia.

Textos deste autor:

RECOMENDADOS PARA SI

Eventos este Mês

Últimos Tweets

Covid-19: Trabalhadores independentes e sócios-gerentes já podem pedir apoios retroativos https://t.co/TghX0Rdggl
Portugal e Países Baixos reforçam cooperação bilateral sobre hidrogénio verde https://t.co/3bXorefMvY
Caminhada na Serra d’Arga quer “mostrar ao vivo” impacto de exploração de lítio https://t.co/fAJ3sW3Gwy
Follow Jornal das Comunidades on Twitter