Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
sábado, 04 dezembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Sondagem

Os vacinados devem ter prioridade no acesso aos cuidados de saúde em relação aos não vacinados?
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
Total Votes:
First Vote:
Last Vote:

Clima: Portugal 'vulnerável' a alterações climáticas exige 'prioridade nacional' - ZERO



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

(Lusa) – Portugal é dos países europeus com maior vulnerabilidade às alterações climáticas, pelo que este problema deve converter-se numa prioridade nacional, aconselhou hoje a organização ambientalista ZERO – Associação Sistema Terrestre Sustentável.

Em comentário, enviado à Lusa, ao relatório do primeiro grupo de trabalho do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas relativo aos fundamentos científicos das alterações climáticas, a ZERO realçou que “o documento apresentou o aviso mais severo de sempre da comunidade científica mundial sobre os efeitos das emissões de gases de estufa e consequentes alterações climáticas, antes do planeta atingir um aumento de temperatura superior a 1,5 ºC”.

No contexto europeu, salientou-se que não só “a região do Mediterrâneo apresenta grandes vulnerabilidades e menores oportunidades para lidar com as alterações climáticas”, como “é das mais vulneráveis às alterações climáticas”.

Em concreto, prevê-se que esta região venha a ter ondas de calor, secas e fogos florestais ainda piores do que as conhecidas, com impacto na agricultura, na pesca e turismo. Algumas sub-regiões podem ter a produção agrícola reduzida em dois terços e a superfície de floresta queimada triplicada. Estima-se também que dezenas de milhões de habitantes sejam afetados por maior escassez de água, riscos de inundações costeiras e ondas de calor potencialmente mortais, detalhou a Zero.

“Devido às suas características geográficas, Portugal encontra-se entre os países europeus com maior vulnerabilidade a estas alterações”, adiantou.

Mais acentuadamente, a ZERO defende que “em Portugal, as alterações climáticas deverão ser cada vez mais uma prioridade nacional”.

A justificar esta posição, salientou-se que “a região Mediterrânica (e sua interseção com o Atlântico) apresenta-se como um 'hotspot', ou seja, uma zona geográfica de maior vulnerabilidade aos efeitos adversos das alterações climáticas”.

Entre estes efeitos, detalhou-se, estão desertificação, seca, fogos florestais, erosão da linha de costa devido à subida do nível médio do mar e ao aumento de tempestades, diminuição da produtividade agrícola, dificuldade na manutenção de sistemas agrícolas mais sensíveis a limitações hídricas ou de produção tradicional, propagação de doenças transmitidas por vetores e a poluição atmosférica, entre outros aspetos.

A situação de Portugal, conforme a concretização feita, “é agravada pela exposição a eventos meteorológicos extremos, como ondas de calor conjugadas com secas associadas a condições de enorme redução da humidade e à subida do nível do mar (fatores que causam potenciais cheias e galgamentos costeiros)”.

Posto isto, a ZERO entende que “urge a adoção imediata de ações de mitigação, que combatam as causas, e de adaptação, que minimizem os impactos, com vista a uma sociedade neutra em carbono e resiliente ao clima”.


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 168 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia