Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
sexta-feira, 22 janeiro 2021

Marcelo antevê "novo tempo" para a ONU depois de "tempo perdido nos anos recentes"



(Lusa) - O Presidente da República considerou hoje que se perspetiva "um horizonte de regresso ao multilateralismo" e um "novo tempo" para a ONU liderada por António Guterres, depois de "tempo perdido nos anos recentes".

Marcelo Rebelo de Sousa deixou esta mensagem numa cerimónia comemorativa do 75.º aniversário da Organização das Nações Unidas (ONU) e dos 65 anos da adesão de Portugal a esta organização, no Salão Nobre da Assembleia da República.

Segundo o chefe de Estado, este final de 2020 "parece prometer para os próximos anos um horizonte de regresso ao multilateralismo, de superação de diversos unilateralismos, protecionismos e mesmo isolacionismos, e de acento tónico no direito internacional e nas organizações internacionais".

Por isso, no seu entender, "uma renovada esperança acompanha a celebração destes 75 anos e confere ainda maior permanência e vigor aos desígnios de António Guterres".

"Temos pela frente um novo tempo para dar expressão a desígnios que já deveriam ser realidade, não fora o tempo perdido nos anos recentes com o revisitar de egoísmos, de solipsismos de outras eras", acrescentou.

Desde que António Guterres assumiu o cargo de secretário-geral da ONU, Marcelo Rebelo de Sousa declarou sucessivas vezes o apoio de Portugal à sua agenda de defesa do multilateralismo, do diálogo e do combate às alterações climáticas, em divergência com as posições de Donald Trump, que tomou posse como presidente do Estados Unidos da América na mesma altura, janeiro de 2017.

Recandidato à presidência com o apoio do Partido Republicano, Donald Trump perdeu as eleições de 03 de novembro para o candidato democrata, Joe Biden, que tomará posse no dia 20 de janeiro de 2021 e coincidirá em funções com o último ano deste mandato de António Guterres.

Nesta cerimónia na Assembleia da República, Marcelo Rebelo de Sousa subscreveu uma vez mais as prioridades da atuação do secretário-geral da ONU, "na paz, nos direitos humanos, na luta contra as injustiças, as iniquidades, as desigualdades de toda a ordem - e, portanto, na justiça social, no clima e no seu desafio intergeracional, na nova energia, no novo digital, nas novas relações sociais e laborais, no diálogo, na tolerância, na solidariedade, no multilateralismo, na reforma das próprias Nações Unidas".

O Presidente da República voltou a criticar a resposta global à pandemia de covid-19, declarando que "foi logo no início tudo menos o que deveria ter sido: dissimulação, fechamento, atrasos na cooperação, luta selvática por meios os mais diversos, dificuldade em fazer vingar critérios e linhas orientadoras comuns", em vez de uma "mais sustentada cooperação".

"Temos connosco 75 anos de uma obra, imperfeita e em parte obsoleta, mas essencial e insubstituível. Temos, sobretudo, a confiança em que no novo tempo a despontar possam vir a ser realidade os propósitos determinados de António Guterres e, com ele, de um cem número de Estados, de povos e de cidadãos do mundo, para que as Nações Unidas possam conhecer uma nova vida a caminho do seu centenário. Portugal está e estará sempre na primeira linha dessa luta", concluiu.


Adicionar o seu comentário aqui!

TEMOS NO SITE

Temos 301 visitantes e 0 membros em linha

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

Não existem eventos no calendário
Seg. Ter. Qua. Qui. Sex. Sáb. Dom.
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

News Fotografia

Se você viu, o seu cliente também verá!