Faça login na sua conta

Usuário *
Senha *
Lembre de mim

Crie a sua conta aqui!

Os campos marcados com um asterisco (*) são obrigatórios.
Nome *
Usuário *
Senha *
Verifique a senha *
Email *
Verificar e-mail *
Captcha *
Reload Captcha
domingo, 05 dezembro 2021

Por favor habilite seu javascript para enviar este formulário

Sondagem

Os vacinados devem ter prioridade no acesso aos cuidados de saúde em relação aos não vacinados?
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
  • Votes: (0%)
Total Votes:
First Vote:
Last Vote:

Covid-19: Costa conta fechar em breve acordo com a banca para moratória no pagamento de créditos



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

O primeiro-ministro conta fechar em breve um acordo com a banca para uma moratória no pagamento de créditos das empresas e das famílias e estima em mil milhões de euros o custo mensal do recurso ao lay-off.

"Estamos a poucos dias de acordar com a banca - para além das iniciativas que os vários bancos já têm vindo a anunciar - uma moratória, seja para as famílias com o crédito à habitação, seja para as empresas com créditos múltiplos, de forma a assegurar-lhes maior liquidez na tesouraria das empresas", declarou hoje António Costa na entrevista à TVI.

Na entrevista, o líder do executivo adiantou que a existência do crédito em negociação será extensível a quatro anos no máximo, tendo um ano de período de carência.

"Iremos utilizando todos os recursos que tivermos. O Estado não tem uma varinha mágica para resolver o problema de todos. Isto tem de ser um esforço conjunto, dos empresários, dos trabalhadores e do Estado", sustentou António Costa sobre as perspetivas da economia portuguesa nos próximos meses.

Confrontado com a possibilidade de as medidas a adotar pelo Governo se revelarem insuficientes, António Costa respondeu: "Não há boias que nos ajudem num tsunami".

"Um tsunami é um tsunami. E temos um tsunami pela frente. Portanto, não vale a pena estarmos a criar a ilusão às pessoas de que vamos passar este processo sem dor. Vai ter dor. E acho que esta é uma relação de franqueza que temos de ter todos uns com os outros. Não há medidas mágicas que evitem isso", defendeu.

Já sobre a possibilidade de Portugal ter em breve um milhão de desempregados, o primeiro-ministro considerou essencial evitar esse tipo de cenários.

"O recurso ao lay-off custará qualquer coisa ao Estado como mil milhões de euros por mês. A pior coisa que pode acontecer é haver um aumento do desemprego massivo", afirmou António Costa, justificando o recurso a este regime por parte do executivo.

De acordo com o primeiro-ministro, até a este momento, "os pedidos de autorização para despedimentos coletivos são ainda um número bastante limitado".

"E é fundamental que os empresários tenham a confiança necessária para perceberem que este não é o momento de fazerem despedimentos. Pelo contrário, este é o momento de se baterem pelas suas empresas e pelos seus trabalhadores, fazerem um sacrifício muito grande", sustentou.

Nos próximos três meses, segundo o primeiro-ministro, "é preciso fazer mesmo um esforço todos em conjunto para sustentar o mais possível as empresas, o emprego e os rendimentos de forma ao país não afundar".

"Toda a gente diz: O país tem de parar. Não, o país tem de continuar. O país não pode parar. É este equilíbrio que nós temos de manter", acrescentou.

Entretenimento e Formação

Estatísticas mundiais do coronavírus


Adicionar o seu comentário aqui!

luso.eu Jornal Comunidades

TEMOS NO SITE

Temos 300 visitantes e 0 membros em linha

Não perca as promoções e novidades que reservamos para nossos fiéis assinantes.
O seu endereço de email é apenas utilizado para lhe enviar a nossa newsletter e informações sobre as nossas actividades. Você pode usar o link de cancelamento integrado em cada um de nossos e-mails a qualquer momento.

A SUA PUBLICIDADE AQUI?

EVENTOS ESTE MÊS

News Fotografia