Até do Canadá vieram às Vindimas da CUCA!



O luso.eu Jornal das comunidades é gratuito mas quero ajudar!

Uma autêntica festa, desde o nascer do dia quando começou, até ao anoitecer, quando acabou! Com esse ambiente, assim decorreram as vindimas da Casa da Cuca, freguesia de Moreira de Lima, associadas com entusiasmo e empenho das suas três dezenas de participantes.

Tratou-se duma faina agrícola “à moda antiga, com animação e merenda reforçada “, salientou o patriarca Carlos Amorim. Três gerações familiares, delizes, integraram o grupo, onde para além desses colaboradores se juntaram-se outros convidados: Manuel Ventura, antigo director do Grupo Desportivo de Moreira do Lima, o promotor de vinho Cuca no Canadá, (o empresário Abílio Ribeiro, de férias pela região), e outros mais da vizinhança, como o advogado Manuel Pereira, Presidente do Lions Ponte de Lima, e a reportagem.

De serviço á cozinha, o mano do chefe organizador: José Amorim, residente em Viana do Castelo, juntamente com o arcozelense Manuel Moreira, confecionando um panelão de Feijoada (à Limiana); assim a designamos, pois estava repleta de boa chouriça de carne local, outra dita de sarrabulha, mais componentes cárneas de vaca e de porco, repolho, cenoura, etc. Para harmonizar a iguaria, ainda para deleite do espírito e do estômago, um arroz branco, ou outro com ervilhas e cenourinha!

Ah, e como entreténs de entrada, um salpicão da Serra de Arga, pataniscas de bacalhau…

O manjar rural foi molhado com Loureiro da Cuca, esse néctar medalhado a prata e ouro, agora também presente nas Américas (Canadá), na África (Angola), e está apreciadíssimo na Europa, começando por cá: do Minho ao Algarve, na vizinha Espanha, e seguimos o mapa, com sua disponibilidade na França, Bélgica, Luxemburgo.

Musicalmente, a concertina de Ângelo Reis, que veio de Fornelos, permitiu a existência de cantadores e danças de roda, por vezes interrompidas para uma sobremesa mais light: pão de ló húmido tipo Ovar e caseiro, o café, bagaço, e até o uísque que veio de Toronto.

Entretanto, em jeito de tagarelice, soubemos que o trabalho (cultural) de casa da família Amorim, iniciado há meses, já soma capítulos: o levantamento das Merendas do Vale de Estorãos terá oportunamente uma aula prática, para confirmar as recolhas orais e escritas!

Luso.eu - Jornal das comunidades
Tito Morais
Author: Tito Morais
Para ver mais textos, por favor clique no nome do autor
Lista dos seus últimos textos

Adicionar o seu comentário aqui!